Corpo de gerente da Shell encontrado morto é liberado do IML e enterro será no RJ

83

O corpo foi identificado pelo exame de papiloscopia, que identifica as digitais. Segundo o delegado, a família também reconheceu as roupas de Vagner. Ele era casado e tinha uma filha.

O executivo deixou a esposa em frente a um estúdio fotográfico no Recreio dos Bandeirantes, Zona Oeste do Rio, na noite de quinta-feira (7) e não foi mais visto. O carro dele foi localizado no domingo na Avenida Gilka Machado, no Recreio.

A Shell confirmou a morte do funcionário e emitiu uma nota de pesar.

“A Shell Brasil lamenta a perda de um funcionário tão dedicado, e se solidariza com a família – a quem estamos disponibilizando apoio, inclusive psicológico, caso assim o desejem – e com os amigos de Vagner. Esperamos que as circunstâncias de sua morte sejam esclarecidas rapidamente pelas autoridades”, disse a empresa.

Segundo as investigações, além do cargo na Shell, Vagner também estava trabalhando como motorista de aplicativos. A polícia investiga se ele passava por problemas financeiros e qual a eventual relação disso com a morte.

No domingo, os parentes souberam que um corpo havia sido encontrado em Rio das Ostras. Eles foram até o Instituto Médico-Legal (IML) de Macaé, no Norte Fluminense, onde reconheceram Vagner. Ele havia sido encontrado com marcas de tiros e uma facada, com as mãos amarradas.

A polícia investiga uma informação de que este estaria com dívidas, com cerca de R$ 100 mil bloqueados em sua conta. Por isso, além da Shell, ultimamente estaria trabalhando como motorista de aplicativo.

Vagner será enterrado nesta segunda-feira, no Cemitério Jardim da Saudade, em Sulacap, na Zona Oeste. Em nota, a Shell lamentou a morte do funcionário: “A Shell Brasil confirma, com pesar, o falecimento do funcionário Vagner Franco. Vagner estava desaparecido desde quinta-feira à noite, e a família confirmou sua morte neste domingo”.