Cabofriense vence Vasco por 2 x 0 e segue como líder

56

A bola pune. O Vasco tentou, criou chances, mas mal na finalização, viu seu time misto cair para a Cabofriense, em Cariacica, no Espírito Santo, por 2 a 0. Rincon e Bruno Lima marcaram para o Tricolor Praiano, neste domingo, complicando a ida do Cruz-maltino à fase final da Taça Rio. Foi a primeira derrota do time de Alberto Valentim em 2019. 

O Gigante da Colina volta a campo nesta quarta-feira, às 21h30, precisando vencer o Resende, fora de casa, e torcer por um tropeço do Volta Redonda, justamente contra a Cabofriense, na última rodada, para se classificar à semifinal da Taça Rio. O time de Cabo Frio, que encara o Voltaço, nesta quinta-feira, às 19h30, no Correão, com a vitória, assumiu a liderança do Grupo C.

Toma lá, dá cá!

Diante de uma Cabofriense com as linhas bem retraídas, o Vasco começou trabalhando com paciência. A primeira chance veio somente aos nove minutos. No escanteio cobrado por Bruno César, Willian Maranhão subiu mais do que todo mundo e testou forte no travessão. O lance parece ter acordado o Tricolor do litoral, que na jogada seguinte, em seu primeiro ataque, abriu a contagem. Após o cruzamento da direita, Rincon, no espaço entre as costas da zaga e Claudio Winck, livre, completou. 

Com o placar aberto, a partida ganhou em intensidade. Aos 14 minutos, Marrony ganhou da marcação, saiu de frente para o gol e poderia ter finalizado, mas preferiu o passe para o meio da área – bem cortado pela defesa da Cabofriense. Logo depois, quase um repeteco: o camisa 38 cruzou da esquerda, novamente para Ribamar, que por pouco não alcançou. 

Por centímetros!

A saída de bola com Raul não era das melhores, e o Vasco sofria para articular seus ataques. O jeito foi usar a bola parada. Primeiro, aos 20 minutos, Bruno César quase marcou em batida com pouco ângulo. Depois, Claudio Winck, em falta gerada por nova boa arrancada de Marrony, acertou o travessão. Os centímetros continuaram impedindo o gol vascaíno. Em duas bolas bem cruzadas, uma da esquerda, por Bruno César, e outra da direita, por Rossi, Ribamar e Marrony, respectivamente, não conseguiram completar para o gol. 

Blitz vascaína

O Vasco quase conseguiu o empate logo no primeiro lance do segundo tempo. Claudiou Winck cruzou na área e o zagueiro tricolor, por um triz, não marcou contra. Com Thiago Galhardo no lugar de Raul na volta do intervalo, o time cruz-maltino seguiu atacando com muitos jogadores. Antes dos 10 minutos, Ribamar teve duas chances: uma de cabeça, para fora, outra de pé esquerdo, num chute que saiu fraco e facilitou a defesa de George. 

Festival de gols perdidos

O Vasco reduziu a intensidade e abusando das bolas alçadas, não conseguia mais levar perigo real ao gol da Cabofriense. Isso, até os 22 minutos da segunda etapa. Foi quando Galhardo deixou Rossi na cara do gol. Sozinho, o atacante perdeu uma chance dupla: primeiro matou no peito, e sem deixar cair, bateu para grande defesa de George. O jogador finalizou de peixinho o rebote do goleiro, que operou novo milagre. No lance seguinte, outro gol perdido: Marrony, livre de marcação, cabeceou para fora o lançamento de Rossi. 

‘Quem não faz, toma’

Não era o dia do Vasco. A equipe cruzmaltina tentou de todos os jeitos, mas foi a Cabofriense quem marcou. Em cobrança de escanteio, Henríquez não tirou os pés do chão, Fernando Miguel saiu mal, e Bruno Lima, de cabeça, deu números finais à vitória por 2 a 0 da Cabofriense, a primeira derrota do time de Alberto Valentim no ano.