Polícia confirma que cliente matou casal de tatuadores de Cabo Frio para não pagar pelo serviço

145

A Polícia Civil confirmou na noite desta terça-feira (23) que o casal de tatuadores foi assassinado por um cliente em Macaé, no interior do Rio, para que ele não pagasse pelo serviço.

De acordo com a Polícia Civil, o homem de 44 anos alegou ser cadeirante e pediu para que Luiza Barbosa Pereira, de 20 anos, e Renan da Silva Pereira Abade, de 19, fossem até casa dele para fazer as tatuagens, que custam cerca de R$ 5 mil.

Em depoimento, o falso cadeirante confessou para a polícia que pegou um carro por aplicativo da Uber com as vítimas, logo após o serviço. Ele alegou que iria buscar o dinheiro para o pagamento na casa de um amigo. No caminho, executou os dois jovens e baleou o motorista.

O homem foi preso nesta segunda-feira (22) e transferido nesta terça para um presídio em Campos dos Goytacazes, também no Norte Fluminense.

“Ele atirou para não pagar a tatuagem, ele já parecia ter tudo esquematizado. Fazer a tatuagem e matar para não pagar “, revelou.

Renan e Luiza eram naturais de Cabo Frio, no RJ — Foto: Reprodução/Facebook

Segundo o delegado responsável pela investigação, Filip Poyes, outros tatuadores ouvidos também relataram ter recebido o mesmo pedido do suspeito para fazer tatuagens, mas eles se negavam a ir até a casa dele.

Segundo a família das vítimas, o casal havia se mudado para Macaé há 11 dias. Os dois eram de Tamoios, no segundo distrito de Cabo Frio, na Região dos Lagos do Rio.

Os parentes informaram que só souberam do crime quando o motorista baleado teve uma melhora no hospital e contou os detalhes do crime para a polícia.

Renan era considerado um dos melhores tatuadores da região, segundo tatuadores — Foto: Reprodução/Facebook

” Ele era mega, ultra talentoso. Fazia realismo preto e cinza”, contou.

O casal foi enterrado na tarde desta terça em um cemitério de Cabo Frio.

A Prefeitura informou que, por motivo de segurança, não vai passar o estado de saúde do motorista internado no Hospital Público de Macaé (HPM).