Suspeito de matar casal de tatuadores de Cabo Frio em carro de aplicativo morre em presídio em Campos dos Goytacazes

Compartilhar

O suspeito de matar um casal de tatuadores em Macaémorreu na manhã desta terça-feira (30) no Presídio Dalton Crespo de Castro, em Campos dos Goytacazes.

A Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) informou que o interno Adriano Lopes Prata, de 44 anos, foi encontrado morto no isolamento do presídio.

Ainda segundo a Seap, o caso foi registrado na 146ª Delegacia de Polícia de Guarus. A secretaria divulgou também que o corpo será encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML) e o órgão aguarda o laudo cadavérico com a causa da morte.

Relembre o caso

Luiza Barbosa Pereira, de 20 anos, e Renan da Silva Pereira Abade, de 19, foram mortos a tiros na noite do dia 21 dentro de um carro de aplicativo no bairro Aterrado do Imburo, em Macaé. O motorista do carro também foi baleado.

Adriano Lopes era cliente dos tatuadores e foi preso no dia 22. A Polícia Civil confirmou que o casal de tatuadores foi assassinado para que o suspeito não pagasse pelo serviço.

De acordo com a Polícia Civil, o suspeito alegou ser cadeirante e pediu para que Luiza e Rena fossem até casa dele para fazer as tatuagens, que custam cerca de R$ 5 mil.

Em depoimento, o falso cadeirante confessou para a polícia que pegou um carro por aplicativo com as vítimas, logo após o serviço. Ele alegou que iria buscar o dinheiro para o pagamento na casa de um amigo. No caminho, executou os dois jovens e baleou o motorista.

Dias depois, uma mulher de 55 anos suspeita de envolvimento no crime também foi presa.

Comentários