Colunista Lorena Serpa / É proibido ouvir

82

No bate papo anterior nós falamos sobre o pensamento crítico e suas infinitas possibilidades para a construção do ser e seu modo de enxergar o mundo e todo o seu contexto e como todo aquele que possuí um pensamento crítico é visto como uma ameaça na atual sociedade em que vivemos e em seus mais diversos meios. Hoje daremos continuidade falando sobre:

É POIBIDO OUVIR. E para isso quero iniciar com uma pergunta: você é um(a) bom (a) ouvinte? Quanto tempo você consegue ouvir com qualidade e de forma significativa aqueles que vêm até você para compartilhar algo?

É bem certo que você já tenha ouvido a seguinte frase: você ouviu alguma palavra do que lhe disse?

Isso porque nós temos a tendência de sempre queremos falar e falar e falar e falar, mas ouvir….ah, isso é uma outra história. Posso até ousar me em dizer que é uma virtude. Como sujeitos, temos muita dificuldade em nos colocarmos no lugar do outro, porque afinal, já temos tantos problemas em nossa vida, por que iríamos como dito pelo censo comum: “arrumar mais sarna para nos coçar”?

Cada um com seus problemas e vida que segue. Bom, isso na verdade é algo que diverge bastante. Pesquisas1 demonstram que mais de um milhão de pessoas tiram a própria vida todos os anos no mundo. Trata-se de um problema social de grande relevância para a saúde
pública, e que pode ser evitado. Apesar dos fatores que contribuem para o suicídio variarem entre grupos democráticos e populações específicas, os mais vulneráveis são os jovens, os mais idosos e os socialmente isolados.

Nós estamos falando do suicídio na sociedade capitalista, sociedade esta que é fundada na exploração e profundamente marcada pela opressão, pela desigualdade, pela competitividade e pelo individualismo. Pense nessa palavra: INDIVIDUALISMO – Tendência de quem
pensa somente em si própria; egoísmo, egocentrismo. Bom, se você acompanhou a leitura até aqui, deve estar se perguntando, o que tudo isso tem haver, como está ligado com o ouvir? E quero provocar você a analisar que o ouvir é fator chave de toda e qualquer relação entre sujeito e sociedade.

Você já teve a oportunidade de fazer uma visita em um asilo? Se não, quero
desafiar você a assim fazer! No asilo você se depara com pessoas em suas idades já
1 O Suicídio e os Desafios para a Psicologia / Conselho Federal de Psicologia. – Brasília: CFP, 2013. avançadas, com sua coordenação motora, neural um pouco já debilitado e diversos outros fatores que contribuem para um retrocesso.

No entanto, esses que ali estão carecem de algo: serem ouvidos. Se você sentar com um olhar atento e uma escuta aberta, perceberá que falar e ter alguém que ouça fará toda a diferença na vida de alguém. Dar atenção, demonstrar interesse, trocar experiências, proporcionar uma oportunidade quanto àquilo que o outro compartilha ser digno de sua total atenção. Sim, isso faz muito diferença e isso pode salvar vidas!

Há muitas pessoas que vivem com uma imensa dor dentro de si, porque não conseguem “colocar para fora” por medo, por aquilo que irão pensar, por acharem que seus sentimentos, seus por quês não são algo de valor, ou que fará com que o outro simplesmente não pare para lhe ouvir e assim, essa dor em muitos dos casos tem um fim dando cabo de suas vidas, ou buscando um alívio passageiro, em lugares, e coisas que somente trará mais e mais dor.

A bíblia traz consigo um conselho para nós em Tiago 1:19, onde todo homem, sujeito, deve sempre estar pronto para ouvir! Mas ouvir o que? Ouvir o outro, ouvir as informações contidas em meias verdades, em meias palavras. Ouvir o grito de socorro da sociedade, dos que estão às margens. Ouvir a voz em meio à multidão.

Ouvir aqueles que já não mais são ouvidos, pelo preconceito, pelo avanço da idade, pela sua formação acadêmica, pela sua condição social ou qualquer outra característica, forma e performance que possamos descrever.

OUÇA! Esse é o grito que ecoa! Pare por alguns instantes e OUÇA. Ouça a voz que está no silencia, ouça a voz que está em toda revelação da criação. Ouvir de verdade e com qualidade pode mudar vidas, pode mudar toda uma sociedade.

Você já imaginou se a partir de hoje parássemos para ouvir tudo o que está ao nosso redor? Isso poderia mudar o mundo! Porque quando ouvimos, abrimos oportunidades para transformações, por isso, ouvir em nossa sociedade tem se tornado proibido, mas hoje você pode escolher mudar essa realidade a partir de suas escolhas. Então, OUÇA!

Continuamos na próxima semana.

Lorena Serpa Pedagoga Gestora Empresarial em MBA Estudante de Psicopedagogia