‘Não há espaço para abertura do confinamento’, diz Witzel após reunião com Bolsonaro

Compartilhar

Governador anunciou a distribuição de 1 milhão de cestas básicas para famílias carentes prejudicadas pelo isolamento por causa do coronavírus

 O governador Wilson Witzel (PSC) disse, no início da tarde desta quarta-feira, que as medidas adotadas para evitar a propagação do novo coronavírus (Covid-19) no Rio estão mantidas. A declaração de Witzel foi dada durante uma coletiva de imprensa no Palácio Guanabara, após uma reunião virtual entre governadores do Sudeste e o presidente Jair Bolsonaro.

Em pronunciamento na noite desta terça, Bolsonaro, aliás, minimizou os efeitos da Covid-19, pedindo para que a população volte às ruas. As palavras do presidente geraram uma onda de críticas de vários setores da sociedade.

“No momento não há espaço para abertura do confinamento e muito menos afrouxamento das medidas que tomamos. Estamos preservando vidas”, Witzel reforçou. “Peço às pessoas que fiquem em casa, continuem observando as medidas restritivas de circulação”.

O governador abriu a coletiva contando como foi a conversa entre os governadores e o presidente.

A reunião teve bate-boca entre Bolsonaro e o governador de São PauloJoão Doria (PSDB).

“Sempre busquei o diálogo com o presidente e saio otimista de ver que esse diálogo retomou, para o bem do Brasil e do Estado do Rio de Janeiro. Estou acostumado a um ambiente onde as divergências decrescem e melhoram as decisões.

O pronunciamento ontem do presidente não encontra eco nas opiniões técnicas”, defendeu Witzel.

Bolsonaro diz que vai pedir mudanças em orientações do Ministério da Saúde e quer ‘isolamento vertical’Logo após a fala de Bolsonaro em rede nacional de rádio e TV, Witzel divulgou um vídeo ao lado do secretário estadual de Saúde, Edmar Santos, reforçando as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) de isolamento para o combate da doença.”Não convergi com aquilo que o presidente falou ontem e fui tratado de forma respeitosa, assim como espero ser tratado sempre.

Espero que o presidente continue mantendo o diálogo”, acrescentou, sobre a reunião de hoje.

“Tudo aquilo que fazemos será avaliado e julgado pelas instâncias adequadas. Quem deve julgar se as medidas tomadas até o presente momento estão corretas ou não são os órgãos técnicos”.

RECADO AOS EMPRESÁRIOS

Perguntado sobre empregadores que podem estar desrespeitando o pedido de fechamento das empresas,  o governador foi bem enfático dizendo que eles poderão ser responsabilizados pelos seus atos.”Senhores empresários, contrariar determinações das autoridades constituídas vão trazer aos senhores responsabilidades.

A determinação é clara: fiquem em casa, o home office foi uma das soluções adotadas. Se cada um dos empresários tomar decisão por si de atender ao pronunciamento, poderá, juntamente com quem fez o pronunciamento, ser responsabilizado por suas ações e omissões”, reforçou.

1 MILHÃO DE CESTAS BÁSICAS

Na coletiva, o governador também anunciou um mutirão para a distribuição de 1 milhão de cestas básicas para famílias carentes que estão sendo prejudicadas com o confinamento por causa do coronavírus. Witzel disse que, inicialmente, as cestas serão destinadas a moradores da capital, Baixada FluminenseSão Gonçalo e Itaboraí.

“São famílias essencialmente chefiadas por mulheres, que têm renda per capita de R$ 89, na pobreza extrema, a meio salário minimo, na baixa renda. É uma cesta para alimentar uma família durante um mês. Não esqueceremos e não deixaremos de ateder a todo o o estado”, reforçou.

O governador afirmou que a distribuição das cestas será feita com cautela pelos municípios para evitar aglomerações.”A logística e os detalhes serão divulgados nos próximos dias”, avisou.

LEILÃO DE CEDAE

Também a reunião virtual desta manhã, Witzel disse que fez um pedido ao ministro da Economia, Paulo Guedes, de adiantamento de parte do valor que será arrecadado com o leilão da Cedae.

O governador afirmou que o montante daria um “fôlego” para que o estado possa “caminhar até o final do ano” e consiga retomar os investimentos.”Saio otimista poque o ministro Guedes sinalizou positivamente, juntamente com o presidente Jair Bolsonaro”, afirmou.

Comentários