Otávio Leite, secretário de Turismo, deixa o governo Witzel

Compartilhar

O secretário estadual de Turismo do Rio, Otavio Leite, anunciou neste sábado (que deixará o cargo. A informação foi antecipada pelo colunista Ancelmo Gois. Em nota divulgada pela assessoria da pasta, o agora ex-secretário afirma que sai do governo “por iniciativa própria” para “um projeto acadêmico”.

No texto, Leite também agradeceu ao governador Wilson Wizel pela “oportunidade”. De acorco com a nota, ele irá se dedicar a um doutorado na área de Turismo.

A demissão de Leite deve ser publicada na edição de segunda-feira do Diario Oficial do estado. A secretaria ainda não informou quem assume o cargo.

“Muito realizamos e há diversas sementes plantadas. Também deixo meus cumprimentos para todos os dirigentes do setor sejam da esfera pública ou privada, pelo permanente dialogo e cooperação. Em especial às da Setur e TurisRio. Eu acredito no Turismo do nosso Rio de Janeiro!”, diz o texto.

Oito secretários já deixaram governo Witzel

Em meio a pandemia do novo coronavírus e a uma crise política causada por escândalos de desvios na Secretaria de Saúde, o que acabou levando a abertura de um processo de impeachment do governador na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), com a saída de Otávio Leite, oito secretários já deixaram o governo estadual.

Com denúncias de fraudes nas compra de respiradores, o então secretário de Saúde, Edmar Santos, foi o primeiro a ser exonerado, em 17 de maio, e seu sucessor, Fernando Ferry, também desembarcou do governo apenas um mês e quatro dias após assumir o cargo.

No fim de maio, o governador Wilson Witzel exonerou de uma só vez o secretário da Casa Civil, André Moura, e o secretário de Fazenda, Luiz Claudio Rodrigues de Carvalho, que foram surpreendidos com as publicações no Diário Oficial. À pedido, o secretário de Trabalho e Renda, Jorge Gonçalves da Silva, também deixou o cargo, fazendo com que o Republicanos, partido do prefeito do Rio, Marcelo Crivella, deixasse o governo estadual.

Poucos dias depois, o delegado Marcus Vinicius de Almeida Braga pediu demissão do cargo de secretário de Polícia Civil, após a Operação Placebo, que apurava desvios de recursos na construção dos hospitais de campanha do estado. Na ocasião, agentes da Polícia Federal cumpriram mandados de busca e apreensão em endereços ligados ao governador e a primeira-dama, Helena Witzel.

No dia 03 de junho, foi a vez de Lucas Tristão, exonerado do cargo de secretário de Desenvolvimento Econômico, em uma tentativa do governador de recompor a base do governo na Alerj.

Fonte: Agência O Globo

Comentários