Colunista Lorena Serpa |Virtual x Presencial

Compartilhar

Vivemos dias onde cada vez mais o virtual tem tomado um espaço significativo em nossas vidas e certamente esse espaço expandirá cada vez mais.

O uso das tecnologias são ferramentas fundamentais no ensino, comunicação, vendas, aproximar distâncias e tantas outras coisas. Mas…, você já pensou sobre o virtual e presencial? Seria possível substituir relacionamentos presenciais por virtuais? Talvez num primeiro momento muitos digam sim com muita facilidade e ainda afirmem que essa é a tendência para a qual a humanidade segue. Pois bem, gostaria de pensar com você sobre alguns pontos.

Você já sentiu o coração de alguém bater junto ao seu peito, acelerado, junto a um abraço saudoso?

Você já sentiu seu corpo, seu cérebro, seu coração corresponder há um beijo, independente do seu tipo e suas múltiplas variáveis?

O cheiro, característica da pessoa, o perfume?

Você sabia que cada um de nós tem uma fragrância? Vou lhe trazer um exemplo: Há alguns anos trabalhava numa empresa, com um número aproximadamente de dez colaboradores no período de baixo movimento. Todos os dias quando eu chegava, ao passar pela porta, um dos rapazes, dizia certeiramente que eu adentrara. A mesma coisa ele fazia com os demais sem errar. Certa vez eu o perguntei como conseguia identificar, o perfume de cada pessoa, uma vez que o perfume, e esse perfume que me refiro é o de um frasco, um produto, poderia estar sendo usado por qualquer outra pessoa. Ele respondera que cada pessoa tem seu perfume e mesmo que alguém queira se utilizar, copiar não será o mesmo. Isso me deixou com uma interrogação na mente e fui pesquisar sobre o assunto. Um outro episódio bem mais a frente acontecera e fez com que eu entendesse de forma clara o que aquele companheiro de trabalho havia dito.

Eu amava o cheiro, a fragrância que uma amiga usada sempre, era uma mistura tão interessante e de uma sutileza que me encantava. Perguntei a essa amiga o nome do perfume pois gostaria de comprá-lo. Para minha surpresa ela me presenteou com o perfume que eu tanto admirava, no entanto, eu não conseguia sentir o mesmo cheiro, a fragrância que exalava dela. Peguei o frasco e fui buscar aquela mistura da fragrância e não era a mesma coisa, foi aí que comecei a pensar. Cada um de nós temos um DNA, cada pessoa tem seu perfume, que ao se misturar com o cheiro de uma fragrância irá exalar um tipo de aroma e que jamais esse aroma será o mesmo no outro, apenas naquela pessoa. Esse tipo de singularidade é impossível de se sentir virtualmente!

O calor do corpo, o arrepio, a adrenalina, as dores e tantas e tantas outras coisas que poderiam ser descritas aqui, jamais podem ser sentidas virtualmente, logo, o que quero trazer a sua reflexão é que pessoas precisam de outras pessoas. Pessoas precisam do calor humano. Pessoas precisam sentir a emoção em estar com o outro, o cheiro do outro, o gosto do outro, até mesmo os fetiches do outro, rs.

O virtual diminui um pouco a sensação da distância, ajuda a diminuir a saudade, mas jamais poderá substituir a singularidade de um relacionamento presencial.

Talvez, esse tempo o qual estamos vivendo de isolamento social, nos sirva para muitos aprendizados, onde deles possamos nos tornar pessoas melhores. Não em conhecimento científico, mas melhores humanos, melhores pessoas, saber o valor da presença física de alguém em nossas vidas, a importância do momento de estar junto, de poder abraçar, de poder sentir, gritar, chorar, fazer o que for, mas, estando junto.

A vida é uma neblina, que hora está aqui e em outra já não mais. Assim acontece conosco, hoje aqui estamos e temos a oportunidade de nos sentirmos, amanhã o que restará serão as lembranças e a saudade!

Entre o virtual e o presencial, escolha o presencial, afinal, somos de aroma singular!

Lorena Serpa

Pedagoga

Especialista em MBA Gestão Empresarial

Estudante de Psicopedagogia Clínica

Comentários