Defesa aponta sumiço de provas que levou, Catarinense Fabiane Fernandes à morte em Arraial do Cabo e espera liberdade de Matheus

Compartilhar

A defesa de Matheus Augusto da Silva, apontado pela Polícia Civil como responsável pela morte da moradora de Ingleses, Fabiane Fernandes, alegou diversas inconsistências no processo de investigação e o sumiço de provas em poder da Justiça. Agora, aguarda a análise de um habeas corpus. Fabiane era moradora dos Ingleses, em Florianópolis, onde administrava uma pousada. Matheus estava acampado em uma trilha em Arraial do Cabo, onde Fabiane foi encontrada morta em 2018.

Segundo Martha Dias, advogada de Matheus, os exames de DNA não apontaram a localização de material genético do suspeito no corpo da vítima. Ela diz que Fabiane tinha caso com um homem chamado Cássio. Ele seria casado e conhecido na região de Arraial, além de ter família na região metropolitana de Porto Alegre.

“Hoje não há um depoimento contra o Matheus que se sustente. Não há. O habeas corpus está em conclusão com a Drª Mônica Toledo, na 3ª câmara criminal, e vou te dizer mais. O aparelho (celular) da Fabiane, no curso do processo, desapareceu. Esse aparelho foi apreendido ao lado do corpo. Desse mesmo aparelho, segundo o Dr. Renato Mariano (delegado que investigou) ele extraiu as fotos que ele achou necessário. Só não aparecem as mensagens que a vítima trocou. (…) Queremos acesso ao telefone para confirmar que Cássio e Fabiane não tinham nada demais. Pedimos os pertences e foi nos dada uma certidão de que não havia nada”, declarou a advogada.

O corpo foi encontrado com sinais de violência e estupro. Além disso, o celular e documentos estavam ao lado do corpo. Todos os itens foram apreendidos pela polícia e repassados à Justiça. O sumiço de pertences da vítima dificultam o prosseguimento das investigações e o acesso da defesa ou da acusação. As falhas na investigação foram denunciadas pela defesa à Corregedoria da Polícia Civil do Rio de Janeiro. O pedido de liberdade de Matheus está tramitando desde fevereiro. Ele está preso na cadeia pública Patrícia Acioli, em São Gonçalo.

O QUE MATHEUS ESTAVA FAZENDO NA MESMA TRILHA?

Matheus conheceu um rapaz identificado como Rodrigo Carlos, o hippie, e ambos foram para Arraial do Cabo. Matheus acabou acampando numa trilha, a mesma onde Fabiane foi encontrada morta. Ele era considerado um andarilho. Foi preso em São Carlos, interior de São Paulo em 2018.

Vídeo mostra turista catarinense lanchando antes de desaparecer em Arraial do Cabo

Um vídeo divulgado nesta quarta-feira mostra o momento em que a turista catarinense Fabiane Fernandes, de 32 anos, lanchava antes de desaparecer em Arraial do Cabo. A gravação foi feita pelo circuito de segurança de uma loja de conveniência do município da Região dos Lagos, no domingo, dia em que a empresária sumiu.

As imagens, mostram a turista de boné, usando uma roupa parecida com uma saída de praia e mexendo no celular; 

Relembre o Caso que repercutiu o Brasil todo

O corpo encontrado em Arraial do Cabo, na Região dos Lagos do Rio, na tarde desta quarta-feira (21), é da turista catarinense que estava desaparecida desde o último domingo (18). Um cão farejador localizou o corpo da empresária Fabiane Fernandes, de 30 anos, na trilha da Prainha. A perícia da Polícia Civil encontrou documentos, roupas e pertences da vítima no local.

Ela foi encontrada nua e com lesões na cabeça e pelo corpo, que foi encaminhado ao IML. As buscas pela empresária estavam no terceiro dia, já que o trabalho começou na segunda (19), depois que um amigo, que estava com ela na cidade, acionou os bombeiros.

A rota feita pela equipe de resgate foi ampliada nesta quarta-feira com a ajuda de cães farejadores.

Fabiane Fernandes era empresária e administrava uma pousada da família na Praia dos Ingleses. O irmão dela disse ao Jornal Hora, de Santa Catarina, que ela não informou aos parentes sobre a viagem ao Rio de Janeiro.

Fabiane tinha um filho de 9 anos e cuidava da mãe, que é acamada, segundo relato de amigos ao site. Eles contam que ela sempre fazia trilhas, mas nunca havia entrado em uma sozinha. Em Florianópolis, também percorria trilhas de bicicleta, mas sempre com um guia, ainda segundo colegas.

Abalados, amigos e parentes lamentaram a morte de Fabiane nas redes sociais.

Pessoas lamentaram a morte da turista catarinense em Arraial do Cabo, no RJ — Foto: Reprodução | Facebook

Pessoas lamentaram a morte da turista catarinense em Arraial do Cabo, no RJ — Foto: Reprodução | Facebook

Comentários