Cirurgiã dentista aponta medidas de segurança na clínica odontológica no combate a covid-19

Compartilhar

Por: Rafael Abud

Nos últimos meses, na Cidade de Campos dos Goytacazes, a forma de atuação dos profissionais da odontologia mudou muito, devido ao período em que se alastrou a pandemia da covid-19 pelo estado do Rio de Janeiro. Os dentistas sempre se preveniram de doenças, colocando em prática nas clinicas odontológicas, as técnicas de biossegurança, afinal, antes mesmo do coronavírus, eles já conviviam com o HIV, hepatite B, hepatite C, tuberculose e outras doenças contagiosas.

A Doutora Cinthia Corraes, cirurgiã dentista, concedeu uma entrevista à nossa equipe e explicou como está sendo feito no seu consultório odontológico para combater o novo coronavírus, já que nenhuma dessas outras doenças apresentou um contágio tão agressivo e nenhuma outra exigiu tantas mudanças nos procedimentos de segurança nos consultórios dentários como agora, com a covid-19.

Reportagem: Quais são as principais mudanças realizadas, no consultório dentário, para não ocorrer a disseminação da covir-19?

Doutora Cinthia Corraes: As Principais mudanças são implantação de mais frascos de álcool gel, orientar os pacientes a lavar as mãos assim que entram no consultório, marcação de pacientes mais espaçados e um por vez com no máximo um acompanhante por paciente, uso da máscara N-95 pelos profissionais atuantes, bem como faceshield, pijamas cirúrgicos e/ou capotes esterilizados.

Somente os atendimentos de emergência e urgência devem ser realizados?

Sim, com certeza. Sendo bem sincera, a aglomeração na sala de espera sempre foi evitada no consultório para que o paciente que está sendo atendido fique mais à vontade e tranquilo, visto que ir ao dentista provoca medo em muitas pessoas, principalmente aos que precisam ser submetidos à atos cirúrgicos.

Os pacientes devem ser agendados, preferencialmente, com intervalos maiores entre eles, para que haja tempo hábil da higiene da sala clínica e também para que não haja aglomeração na sala de espera?

Sim. Entre todos os atendimentos realizamos a limpeza da cadeira e outras superfícies com álcool líquido e outras substâncias.

Os aparelhos que geram muito aerossol devem ser evitados, como por exemplo, jato de bicarbonato, ultrassom e até mesmo a cuspideira deve ser evitada, pois a bomba à vácuo resolve essa questão de eliminar a saliva com mais segurança?

Os aparelhos que geram muito aerossol como ultrassom, caneta de alta rotação, jato de bicarbonato, todavia não conseguimos evitar o uso desses aparelhos, o que fazemos é o cuidado redobrado.

Doutora Cinthia, como faz para os nossos leitores agendarem uma consulta na sua clínica odontológica?

Estamos no Facebook e Instagram: @corraesodontologia, também no WhatsApp ou ligação no telefone- (22) 981694100.

Comentários