PM youtuber terá audiência na Justiça com coronel a quem acusou de ligação com o tráfico da Maré no Rio

93

youtuber Gabriel Monteiro terá uma audiência no próximo dia 18, no 27º Juizado Especial Cível do Rio, em processo movido contra ele pelo coronel PM Íbis Silva Pereira. O oficial entrou com uma ação em março deste ano, pedindo indenização por danos morais, após Monteiro acusá-lo de ligação com o tráfico de drogas.

No Juizado, nessa primeira audiência do processo, há uma tentativa de conciliação entre o autor da ação e o réu. Monteiro poderá, por exemplo, propor o pagamento de uma quantia ao coronel, e o processo poderá ser encerrado. Caso as partes não cheguem a um consenso, a ação prossegue e a Justiça é que vai determinar se a indenização é cabível e estipular o valor a ser pago.

A audiência tinha sido marcada para abril deste ano, mas foi adiada por causa da pandemia do novo coronavírus e remarcada para agosto.

Por causa das declarações sobre Íbis, que já foi comandante geral da PM, Monteiro responde a um processo administrativo disciplinar que pode culminar em sua expulsão da corporação do Rio. Nesse procedimento, o youtuber também teve o porte de arma suspenso.

Nessa terça-feira, Gabriel foi expulso da PM, acusado de deserção. No dia seguinte, ele se reapresentou ao 34º BPM (Bangu), onde é lotado, e tiveram início os trâmites para sua reintegração à PM. Nessa quinta, Gabriel passou por exames médicos e foi considerado apto a ser reincluído na polícia.

A medida de reinclusão é prevista no regulamento interno da PM. De acordo com a corporação, Monteiro “será reintegrado à tropa e responderá em liberdade pelo crime de deserção, assim como continuará incurso na Comissão de Revisão Disciplinar (CRD), instaurada contra ele anteriormente por quebra de hierarquia”. A CRD citada na nota da PM é justamente relativa ao processo administrativo aberto após as acusações contra Íbis.

Íbis processou Gabriel após o youtuber ter gravado um vídeo na presença do oficial e publicado na internet sem sua autorização. Na gravação, Monteiro afirma que Ibis foi visto entrando em uma área dominada por uma facção criminosa e pergunta: “O senhor é do PSOL, não é? (…) Existe alguma ligação entre o PSOL e a criminalidade da Maré?”.

O processo disciplinar respondido por Gabriel pela divulgação do vídeo narra que no dia 23 de outubro do ano passado o soldado se passou por estudante universitário para marcar uma conversa com o coronel Ibis no gabinete da deputada Renata Souza (PSOL/RJ), na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), onde o oficial trabalhava como assessor parlamentar.