Manicure grávida que estava desaparecida é encontrada morta no Rio sem roupa e amarrada dentro de um córrego

Compartilhar

Foi encontrado, nesta quinta-feira, numa comunidade conhecida como Triângulo, em Deodoro, na Zona Norte do Rio, às margens da linha férrea, o corpo da manicure Thaysa Campos dos Santos, de 23 anos. Ela estava desaparecida desde a noite da última quinta-feira. Thaysa estava grávida de oito meses. De acordo com informações da polícia, o cadáver da manicure estava amarrado e em avançado estado de decomposição. Um parente da jovem fez o reconhecimento do corpo.

O desaparecimento da Thaysa era investigado pela Delegacia de Descoberta de Paradeiros (DDPA).

– Sabíamos que ela estava morta desde o dia do desaparecimento. Morta na Favela do Triângulo. E a investigação continua para apurar autoria. Mas já temos linha de investigação definida – disse a delegada Ellen Souto, titular da DDPA.

Mãe de Thayse, a psicopedagoga Jaqueline Tavares Campos, tomou um calmante antes de receber a notícia sobre a morte da filha. O medicamento foi dado por uma tia da manicure. As duas haviam ido à DDPA, na Cidade da Polícia, no Jacarezinho, Zona Norte, pois Jaqueline havia sido chamada para prestar depoimento. Ela mora em Brasília.

Agentes da DDPA receberam duas informações que podem estar ou não ligadas ao desaparecimento e morte de Thaysa. Uma delas dá conta que a gestante teria sido vítima de uma agressão há 15 dias. A outra é a de que o pai do filho que ela espera seria um homem casado. Os possíveis agressores de Thaysa já não estariam mais morando no Rio.

De acordo com a Polícia Militar, agentes do 14º BPM (Bangu) encontraram o corpo num córrego e acionaram a Delegacia de Homicídios da Capital (DHC) para fazer uma perícia. Já a SuperVia destacou que acionou o Grupamento de Policiamento Ferroviário (GPFer) para as providências necessárias tão logo soube da existência do corpo.

Vítima saiu de casa por volta da meia-noite

Moradora de Deodoro, Thaysa saiu de casa por volta da meia-noite, na última quinta-feira, e não voltou mais. Como só havia uma chave da residência, a amiga que mora com ela ficou trancada e precisou arrancar a fechadura na manhã de sexta-feira para trabalhar.

A manicure foi criada num conjunto, junto da irmã mais velha, Raíza, de 26 anos. Na semana passada, a mãe, que vive em Brasília com o marido há três meses, esteve no Rio para visitar a família e disse a Thaysa que voltaria a morar com as duas filhas aqui. A manicure teria ficado feliz como anúncio, pois estava desempregada. Segundo o que a jovem contou para a família, o pai de seu bebê era um rapaz que morava perto dela.

Chá de bebê seria no domingo

O chá de bebê de Thayse seria no domingo. O nome da futura filha já havia sido escolhido pela mãe. A menina iria ser chamada de Isabel. A manicure tinha ainda outros dois filhos: Luma Clara, de 7 anos, e Antônio Benício, de 5. As crianças moram com a ex-sogra dela.

Roupas do bebê encontradas pela polícia
Roupas do bebê encontradas pela polícia Foto: Reprodução

Segundo a psicopedagoga Jaqueline Tavares Campos, mãe de Thayse, a jovem estava bem e feliz com a chegada do terceiro filho.

– Ela parecia feliz pelo chá de bebê, estava comprando tudo. Eu dei uma cômoda para ela no dia em que ela desapareceu (na última quinta-feira), e ela arrumou todas as roupinhas do neném – contou ela no início da semana.

Comentários