Após terrorismo que deixou 6 baleados e 1 morto em Arraial do Cabo, Batalhão de Choque ocupa cidade com mais de 150 policiais fortemente armados.

Compartilhar

As forças de segurança do Estado do Rio de Janeiro começaram na manhã desta terça – feira (29) a ocupação da cidade de Arraial do Cabo, onde recebem o BAC e o Batalhão de Choque por 1 semana na Região dos Lagos do Rio de Janeiro.

Tudo isso devido ao terrorismo, que foi causado no último final de semana na cidade que foi manchete no Brasil todo, onde 6 pessoas foram baleadas em uma Praia da cidade deixando 1 morta. A ação é motivada pelo tiroteio que aconteceu no último sábado (26), na Prainha. Durante o confronto entre facções rivais, 5 banhistas ficaram feridos e um homem, que era o alvo do atentado, foi morto.

A ação conta com mais de 150 policiais: 100 do batalhão de choque do Rio, 24 de batalhões da Região Metropolitana, 15 do 25° BPM que atuavam em Cabo Frio e 10 do 25° BPM que atuavam em Arraial.

Vários pontos da cidade forma ocupado pelos agentes, sendo Morro da Coca – Cola, Morro da Boa Vista, entrada da cidade, bairro Sitio, Praia dos Anjos, Praia Grande, entre outros.

Essa ocupação mostra que a criminalidade em Arraial vem aumentando cada vez mais, Arraial é a cidade da Região dos Lagos mais falada no Mundo todo, pelas suas lindas praias.

Por volta de 15h, não havia sido registrado nenhum confronto durante as ocupações..

A Polícia Civil identificou o homem suspeito pelos disparos que atingiram os cinco banhistas. Willian Adriano Sobreira dos Santos, conhecido como Pará, é considerado foragido por tentativa de homicídio.

A operação também é motivada por um caso que aconteceu na Praia do Forte, em Cabo Frio, nesta última segunda-feira (28), quando um homem foi espancado e esfaqueado por outros três homens.

De acordo com a PM, o objetivo da operação é retomar a sensação de segurança na região e buscar outros traficantes.

Nenhum dos dois traficantes que já foram presos na operação tem relação com o confronto do último sábado na Prainha, segundo a polícia.

Comentários