Deputados criticam moradia de governador afastado e Witzel pode ter que deixar Palácio Laranjeiras

Compartilhar

A entrevista do governador afastado Wilson Witzel, publicada no domingo pelo GLOBO, gerou reações entre deputados estaduais, que aprovaram seu impeachment há duas semanas. Além de críticas ao uso do Palácio Laranjeiras durante o afastamento, será protocolado hoje na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) um requerimento para votação em urgência de um projeto de lei que transformaria a residência oficial do governador do estado em um centro cultural.

O projeto proíbe a utilização do Palácio Laranjeiras como residência oficial, e determina que o imóvel seja transferido para a gestão da Secretaria estadual de Cultura. Autor do requerimento e do projeto, que foi apresentado no mês de junho após as primeiras operações sobre desvios na Saúde, o deputado Anderson Moraes (PSL) afirmou que o objetivo da proposta é “fazer o governador cumprir pelo menos uma promessa de campanha”, em referência ao fato de Witzel ter dito, durante as eleições, que continuaria morando em sua casa, no Grajaú:

— É um palácio histórico que está sendo desvalorizado pelos acontecimentos recentes. Nosso intuito é dar acesso à população, que nunca o teve. Nós íamos deixar a proposta tramitar normalmente, mas, depois da reportagem que o mostrou tomando uísque e fumando charuto no local, com todas as regalias, decidimos acelerar.

Moraes disse que já está articulando apoio ao projeto entre os parlamentares. No final de semana, após a publicação da matéria, o deputado Renan Ferreirinha (PSB) questionou o uso do palácio:

— Witzel está afastado do cargo de governador e não vem trabalhando efetivamente para o estado. Então, por que ainda usa o Palácio Laranjeiras? Por que ainda se esbalda na mordomia paga com dinheiro público?

O deputado Chicão Bulhões (Novo) se manifestou por uma rede social: “Às custas do pagador de impostos, Witzel continua no Palácio, dando entrevista, comendo, bebendo, fumando um charutão cubano e se fazendo de vítima”.

Procurado, Wiztel não comentou projeto.

Comentários