Polícia Civil da 132ª DP, pede prisão de traficantes que tentaram matar uma mulher a tiros em Arraial do Cabo, neste fim de semana.

Compartilhar

Mesmo baleada, a vítima conseguiu fugir da favela e pedir socorro

A delegada de Arraial do Cabo (132ª DP), Patrícia Aguiar, pediu à Justiça a prisão temporária de três traficantes que tentaram matar uma mulher a tiros no Morro da Coca-Cola, em Arraial do Cabo, no fim de semana. A vítima, de 23 anos, foi baleada, arrastada pelos cabelos e agredida com tapas. Mesmo ferida, conseguiu escapar.

Segundo a polícia, a mulher foi à favela para participar de um baile funk. Ao chegar, foi cercada por um grupo de criminosos. Ela tentou fugir do local correndo, mas foi perseguida pelos traficantes, que atiraram várias vezes em sua direção. A mulher acabou sendo atingida por um tiro na perna, mas conseguiu descer o morro e pedir ajuda.

A Polícia Civil conseguiu identificar três criminosos que participaram da ação. As investigações revelaram que o crime foi ordenado pelo traficante Elizeu Silveira dos Santos, conhecido como Zeu, com quem a vítima já teve um relacionamento. Zeu é o chefe do tráfico de drogas no Morro da Coca-Cola. Também participaram da ação os traficantes Wagner Thomaz dos Santos, conhecido como Magrão, que é gerente do tráfico no local, e Peterson de Paula Sales Gomes, vulgo Índio.

De acordo com a delegada Patrícia Aguiar, após receber atendimento médico, a vítima foi até a delegacia, com auxílio da Polícia Militar.

“Assim que o caso chegou ao nosso conhecimento, instauramos inquérito e demos início às investigações. A vítima prestou depoimento e conseguimos identificar três criminosos que participaram do ataque. Todos possuem uma extensa ficha criminal. Pedimos à Justiça a prisão temporária deles por tentativa de feminicídio e associação para o tráfico de drogas, além de medidas protetivas”, informou a delegada de Arraial do Cabo.

Os três traficantes possuem diversas passagens pela polícia por homicídios, lesão corporal, tráfico de drogas, associação para o tráfico e porte ilegal de arma de fogo. Todos deixaram a cadeia este ano.

O traficante Zeu, mandante do crime contra a ex-companheira, tem em sua ficha criminal dois assassinatos. Ele deixou a penitenciária em janeiro deste ano. Já Índio foi acusado pelo homicídio do tenente da Polícia Militar Jeovany de Carvalho Brito, morto durante uma troca de tiros no Morro da Coca-Cola, em janeiro de 2018. Ele foi colocado em liberdade há três meses, menos de três anos após o crime. E Magrão saiu da prisão em março deste ano.

Comentários