A duas semanas das eleições, cenário de Campos mostra tendência de 2º turno

53

As últimas pesquisas de intenção de voto sinalizam uma disputa final da eleição de Campos em um segundo turno. Os  candidatos Wladimir Garotinho (PSD) e Caio Vianna (PDT) aparecem como prováveis adversários num virtual segundo turno nestas eleições para a Prefeitura de Campos. Os dois mostram solidez em suas campanhas. Todavia, Bruno Calil(SD), que aparece em terceiro nas pesquisas, tem um grupo político forte, liderado pelo deputado Rodrigo Bacellar (SD), se mostra em ascensão nas intenções de voto, com apostas em uma virada. Um candidato conhecido, o apresentador Alexandre Tadeu Tô Contigo (Republicanos), que poderia tornar a eleição para prefeitura de Campos mais disputada, não decolou até agora. Já o fardo dos índices de rejeição nas pesquisas ficou com o prefeito Rafael Diniz, que pontua mal. 

Wladimir vem liderando todas as pesquisas eleitorais divulgadas até agora com registros no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Na primeira, realizada pelo Instituto Real Big Data, paga pela TV Record, o deputado federal apareceu com 26%, Caio ficou com 14%. Na segunda, do Instituto Paraná, Wladimir pontuou 28,1%; Caio obteve 23,5%. Bruno Calil tem 7,2%; Rafael Diniz (Cidadania), 6,6%. Numa terceira consulta divulgada nesta quinta-feira (29), pelo novato Instituto Virtu/Fatore, o parlamentar do PSD surge com 34; Caio chegou a 24%.  

As pesquisas do Paraná e do Fatore, onde Caio cresceu substancialmente nas intenções de votos, aqueceu o clima de entusiasmo no grupo que tem como referência o ex-prefeito Arnaldo Vianna, pai do candidato. Os impactos podem ser constatados nas manifestações pelas redes sociais e nas carreatas. A imagem de Arnaldo e os aspectos positivos de sua gestão como prefeito tem sido largamente utilizados no programa eleitoral. 

O crescimento do médico Bruno Calil nas últimas pesquisas é única possibilidade de uma virada neste cenário por ora estabelecido. A ascensão de Dr. Bruno nas intenções de voto também melhorou o estado de ânimo no seu grupo nesta reta final de campanha.  

A candidatura que desponta como uma terceira via conta com o peso de quatro partidos e a liderança do deputado estadual Rodrigo Bacellar (SD), o parlamentar de maior visibilidade da região na Alerj (Assembléia Legislativa).  

O cenário onde Wladimir e Caio aparecem como favoritos para um segundo turno só deverá ser alterado se Bruno Calil ameaçar o segundo colocado nestas duas semanas que restam.  

Enquanto isso, a candidata do Psol, professora Natália Soares, apareceu bem. Na do Paraná, ela aparece com 3,4%, à frente de Odisséia Carvalho (PT), com 3,0%,Tadeu Tô Contigo (Republicanos), 2,9% e Roberto Henriques (PC do B), que alcançou 1,1% das intenções de voto. (leia mais abaixo)

Na pesquisa do Virtu/Fatore, Rafael Diniz (Cidadania) não passou de 2%. Odisseia Carvalho (PT) com 1%, Alexandre Tadeu (Republicanos) e Natália Soares (PSOL) com 1%. Com zero por cento das intenções vêm Cláudio Rangel (PMN), Roberto Henriques (PCdoB) e Jonathan Paes (PMB).  

ELEITORES INDECISOS – A grande disparidade nos números entre as duas últimas pesquisas está no percentual dos eleitores indecisos. Na pesquisa do Instituto Paraná, este percentual era de 45%. Já a consulta do Virtu/Fatore apurou 18% de indecisos, com 12% de votos brancos e nulos. 

Alguns candidatos mais conhecidos e de maior visibilidade não decolaram até agora, como o apresentador Alexandre Tadeu Tô Contigo. Nem sua segurança e desenvoltura nas palavras e nos gestos, resultado de sua experiência como profissional de televisão, levaram o jornalista da TV Record/Campos a uma melhor posição nas pesquisas.

Com pouco tempo de TV e resumindo bem suas propostas Natália conseguiu projetar boa imagem como uma candidata de origem humilde que se formou professora e se tornou doutora através da Uenf (Universidade Estadual do Norte Fluminense). 

Roberto Henriques, com toda sua experiência política e administrativa — foi prefeito, vice-prefeito, deputado estadual e secretário em diferentes pastas — tem esbarrado as limitações de pouca estrutura de campanha e pouco tempo de rádio e TV.  

DINIZ E SUA REJEIÇÃO – O fardo dos índices de rejeição nas pesquisas ficou com o prefeito Rafael Diniz (Cidadania), com sua criticada administração. O sacrifício imposto a milhares de campistas no precário sistema de transporte coletivo de Campos, o atraso nos salários dos servidores ea falta de repasses a hospitais filantrópicos que são fundamentais na saúde pública, têm sido o Calcanhar de Aquiles que tem marcado a impopularidade do atual gestor. 

CAMPOS TEM 11 CANDIDATOS A PREFEITO::

Alexandre Tadeu Tô Contigo (Republicanos)

Bruno Calil (SD) – 

Caio Vianna (PDT) – 

Carla Waleska (PSDB) – 

Cláudio Rangel (PMN) – 

Jonathan Paes (PMB) – 

Natália Soares (Psol)

Odisséia Carvalho (PT) – 

Rafael Diniz (Cidadania) – 

Roberto Henriques (PC do B) – 

Wladimir Garotinho (PSD) –