Contraventor Fernando Iggnácio é executado com tiros de fuzil 5.56, diz polícia no Rio

259

Genro e um dos herdeiros do falecido contraventor Castor de Andrade, Fernando de Miranda Iggnácio foi executado na tarde desta terça-feira (10), no Recreio dos Bandeirantes, na Zona Oeste do Rio. De acordo com as primeiras informações, ele estava retornando de Angra dos Reis, em um helicóptero, e ao posar foi surpreendido por uma emboscada.

Fernando se dirigia ao estacionamento da empresa Heli-Rio, quando foi atingido por disparos de armas de grosso calibre. Policiais militares do 31º BPM do Recreio foram acionados para verificar a ocorrência, isolaram a área e a perícia atua no local. A Delegacia de Homicídios também está no local.

Fernando Iggnácio era investigado pelo Ministério Público do Rio de Janeiro como mandante da morte do ex-policial militar Anderson Cláudio da Silva, o Andinho, em 10 de abril de 2018,  também no Recreio. Além disso, travava há 22 anos uma disputa com o contraventor Rogério Andrade, sobrinho de Castor, pelo controle dos pontos de bicho e de caça-níqueis na região da Zona Oeste.

O contraventor Fernando Iggnácio, morto na tarde desta terça-feira no Heli-Rio, no Recreio dos Bandeirantes, foi atingido por tiros de fuzil 5.56, efetuados a, no máximo, cinco metros de distância. A informação foi confirmada por policiais da Delegacia de Homicídios da Capital (DHC), que confirmaram ainda o recolhimento de imagens de câmeras de segurança nos fundos do terreno baldio ao lado do heliponto.

“O portão inteiro estava intacto na parte da manhã. Após os tiros, que acredito terem sido de fuzil, eu vim verificar e vi que uma parte do portão estava destruída. Pode ter sido por onde eles entraram. Acredito que eles tenham saído pelos fundos do terreno e aí pulado o muro dos fundos. Pois aqui pela frente é muito movimentado. E lá atrás, não”, disse o homem.
Familiares de Iggnácio chegaram ao local por volta das 16h. Um dos parentes se identificou como irmã da vítima. Muito nervosa, chorava. Por volta das 17h30, eles deixaram agora o local do crime e não quiseram falar com a imprensa.

Às 17h50, os agentes da DH retiraram o carro da vítima do local. Ainda não há informações sobre a data e local de sepultamento de Fernando Iggnácio.