Advogada afirma que PM preso por matar namorada em Valença atirou após discussão sobre traição

146

A advogado Daniela Grégio, uma das responsáveis pela defesa do policial militar Janitom Celso Rosa Amorim, de 39 anos, preso nessa sexta-feira após ter matado a namorada, afirmou ao EXTRA que seu cliente atirou na vítima após um desentendimento sobre uma traição. A advogada esteve com o militar nesse sábado na unidade prisional da PM em Niterói, na Região Metropolitana do Rio.

A cirurgiã-dentista Mayara Pereira de Oliveira, de 31 anos, foi mantida refém e depois baleada pelo namorado, Janitom, no estacionamento de uma universidade em Valença, no Sul Fluminense. Segundo a advogada, o policial narrou que resolveu confrontar a namorada, Mayara Pereira de Oliveira, sobre uma traição que havia descoberto. Ainda de acordo com a advogada, o PM manteve a mulher no veículo até que ela respondesse seus questionamentos, mas “perdeu a cabeça”.

– A discussão ficou exacerbada e ele (policial) queria que a namorada respondesse sobre a traição descoberta. No momento que ele ia se entregar, ela usou uma frase que o ofendeu profundamente e ele perdeu a cabeça. Mas ele se arrepende, sabe que errou e vai pagar pelo que fez – relata a advogada.

Daniela conta ainda que Janiton e a namorada estavam morando juntos em um apartamento em Volta Redonda. Eles namoravam há três meses. Nesse domingo, o PM passará por uma Audiência de Custódia na qual será decidido se ele continuará preso. Além de Daniela, fazem parte da defesa do PM os advogados Marcela Grégio e Marcelo Tolentino.

A tese da defesa é de que Janiton agiu “sob o domínio de violenta emoção, logo em seguida a injusta provocação”. O Código Penal prevê que em casos como esse a pena pelo crime de homicídio pode ser reduzida de um sexto a um terço.

Sequestro e morte

O sequestro ocorreu durante a manhã, e a Mayara ficou 2h30 em poder do namorado, dentro do próprio carro, na área de estacionamento da Fundação Educacional Dom André Arcoverde (FAA), no bairro Fátima. Segundo informações da Polícia Militar, a Unidade de Intervenção Tática (UIT) do Batalhão de Operações Policiais Especiais (BOPE) foi acionada e imediatamente deslocada de helicóptero para Valença.

Ainda durante a negociação preliminar, Janitom atirou contra a vítima. Depois, foi imobilizado por policiais e levado para a delegacia local. A dentista foi atingida na boca e levada para o Hospital Escola da própria universidade, mas teve quatro paradas cardíadas e não resistiu.

Mayara era aluna de um curso de pós-graduação na área de odontologia da Fundação Educacional Dom André Arcoverde. Ela deixa um filho de cinco anos, fruto de um relacionamento anterior.

A universidade informou em nota que nesta manhã o casal estava discutindo dentro de um veículo no estacionamento quando uma equipe de segurança da instituição percebeu a briga e tentou aproximação. Os funcionários, porém, perceberam que o homem estava armado e chamaram a polícia.

Janitom foi autuado pelo crime de homicídio duplamente qualificado, além de sequestro e cárcere privado. Ele foi levado para a unidade prisional da PM em Niterói, na Região Metropolitana do Rio.