Witzel é batizado em igreja evangélica do Rio em meio a processo de impeachment

63

Em meio ao seu processo de impeachment no Rio, o governador afastado Wilson Witzel foi batizado em uma igreja evangélica na noite do último domingo, dia 29, na Zona Norte da capital. A informação foi dada pelo jornal “O Dia”, e confirmada pelo O GLOBO. De camisa preta, ele foi banhado em uma piscina da Igreja Vida Nova, em Inhaúma, localizada aos pés do Morro do Alemão. O batismo aconteceu um dia antes de Witzel protocolar sua defesa no processo de impeachment ao tribunal misto de julgamento, que dará a palavra final sobre a perda de mandato do ex-juiz.

A mulher de Witzel, Helena, e uma das filhas do casal também se batizaram neste domingo. O governador afastado utilizou um versículo bíblico para explicar o momento que tem vivido na recente carreira política. Na próxima sexta-feira, dia 4, às 11h, o Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ) fará uma nova sessão sobre o processo do governador afastado. Na ocasião, os cinco deputados e cinco desembargadores que integram o grupo vão definir o calendário do julgamento, com as testemunhas que serão ouvidas e provas a serem produzidas e periciadas.

“Lucas 18: 26. E os que ouviram isto disseram: Logo quem pode salvar-se? 27. Mas ele respondeu: As coisas que são impossíveis aos homens são possíveis a Deus. Quais sonhos você tem sonhado, que para você é impossível de alcançar? Jesus nos ensina que aquilo que é impossível para nós seres humanos, é totalmente possível para Deus. Apenas creia e tudo irá acontecer”, diz o governador.

Primeira a se tornar evangélica, ainda durante o processo de impeachment de Wilson Witzel, a ex-primeira-dama, Helena Witzel, assumiu a missão de  converter toda a família. Primeiro começou a promover cultos ainda no Palácio Laranjeiras, muitos deles com a presença do pastor Abner Ferreira, como mostram fotos em rede social. Nas imagens também está marcado o nome de Filipe Pereira, filho do Pastor Everaldo Pereira, presidente do PSC. Pai e filho chegaram a ser presos em agosto, na Operação Tris In Idem, que também determinou o afastamento de Witzel do cargo por denúncias de corrupção na área da Saúde.