Colunista Lorena Serpa |Deixar para depois

Compartilhar

Quantas vezes você já deixou algo para depois? Uma ligação? Uma visita? A resolução de um problema? A expressão dos seus sentimentos? Dizer para aquela pessoa o quanto ela é importante em sua vida?

Atitude muito comem em nossa vida por causa da correria do dia a dia, ou as “chatices” que envolvem a vida, ou até mesmo porque você não está a fim, e aí nossa atitude é: depois eu faço isso, depois; depois; depois.

Há algumas semanas, nós fizemos uma noite de queijos e vinhos em nossa casa, e um dos queijos que fora comprado, era artesanal com especiarias, um queijo viçoso, saboroso, muito bonito e muito bem embalado. Pelo tamanho dele, nós só usamos uma metade e a outra guardamos na geladeira. Passado algumas semanas, sempre que abríamos a geladeira e olhávamos para aquele queijo pensávamos: precisamos fazer algo com esse queijo, mas depois vejo o que faço. E com isso os dias foram passando. Numa manhã ao fazer uma tapioca, veio a ideia de recheá-la com o queijo artesanal que estava na geladeira e assim fizemos. No entanto, ao desembrulhar o queijo e tirar o plástico filme, percebemos que ele estava todo mofado! Sim, mofado. E as perguntas surgiram: mas como esse queijo mofou? Ele não estava bem embalado? Será que molhou de alguma forma? Será que usaram algum utensílio sujo nele? E as perguntas não tem fim……, mas o fato era que o queijo mofou e não havia mais nada a fazer se não jogar fora. Nós deixamos passar muito tempo somente pensando em deixar para depois.

Pensando sobre o queijo, notamos que embora algo esteja muito bem protegido e guardado não significa que seu tempo de vida também estará e deixar para depois pode trazer suas consequências. Assim é nossa vida, ela é um sopro. Embora você a embale, proteja, pode ser que o deixar para depois e quando esse depois chegue, ele venha com o seu prazo de existência esgotado. Não porque algum culpado haja para que ela se vá, mas simplesmente porque o seu sopro chegou ao fim e esse fim nós nunca sabemos quando chegará, ele simplesmente assim se faz.

Em nossa correria do dia a dia, temos a tendência de deixar tudo para depois e depois e mais depois e quando nos damos conta nos deparamos com essas expressões: “nossa quando foi que você cresceu tanto”; “mas ele(a) morreu e eu nem sabia”; “você passou por tudo isso sozinho(a)”; “desde quando você tem filhos e eu não sabia” e tantas e tantas outras coisas….

Quero deixar aqui a sugestão de um filme nacional para você refletir em seu conteúdo: “Tudo bem no Natal que vem” com Leandro Hassum. Não vou dar sinopse, mas afirmo que seu conteúdo vale muito apena e está alinhando com a temática sobre deixar para depois.

E por falar nisso, o que você tem deixado para depois e que pode ser feito hoje e dito hoje?

Lembre-se, a vida é um sopro e rapidamente o mofo pode chegar e simplesmente levar embora aquilo que sempre achamos que pode esperar e ser deixado para depois.

Lorena Serpa

Pedagoga

Especialista em MBA Gestão Empresarial

Estudante de Psicopedagogia Clínica e

Psicologia Social

Comentários