Biden anuncia pacote de US$ 1,9 trilhão para combater Covid-19 e estimular economia

125

O presidente eleito, Joe Biden, anunciou na noite desta quinta-feira (14) proposta de estímulo econômico destinada a impulsionar a economia e acelerar a resposta dos Estados Unidos à pandemia do coronavírus.

Biden fez campanha no ano passado com a promessa de enxergar a pandemia de forma mais séria que o presidente Donald Trump, e o pacote busca colocar essa promessa em movimento com um influxo de recursos para a distribuição da vacina contra o coronavírus e a recuperação econômica.

“Durante esta pandemia, milhões de americanos, sem culpa própria, perderam a dignidade e o respeito que vêm com um emprego e um salário. Há uma dor real oprimindo a economia real”, disse Biden, em discurso, ao lado da vice-presidente eleita Kamala Harris.

O democrata afirmou que a política fiscal do país se manterá estável mesmo com os novos gastos, se a população enxergar o futuro com mais perspectiva.

O pacote inclui:

  • Mais de US$ 400 bilhões para reforçar a resposta ao vírus e a distribuição de vacinas contra a Covid-19.
  • US$ 350 bilhões para ajudar estados e municípios a superarem os déficits orçamentários.
  • Cerca de US$ 1 trilhão em auxílio direto às famílias.
  • Cerca de US$ 440 bilhões para pequenas empresas e comunidades atingidas pela pandemia.
  • Cheques no valor US$ 1,4 mil para os norte-americanos, superando os de US$ 600 emitidos no último pacote do Congresso.
  • US$ 400 de auxílio-desemprego por semana, ante US$ 300 por semana, estendido até setembro.

O plano de Biden visa dar início a seu mandato com um grande projeto de lei que coloca em ação, de forma rápida, sua agenda de curto prazo: auxiliar a economia e controlar um vírus que matou mais de 385 mil pessoas nos Estados Unidos até esta quinta-feira (14).

Também oferece um forte contraste a Trump, que passou os últimos meses de seu governo tentando minar a vitória eleitoral de Biden em vez de concentrar-se no alívio adicional ao coronavírus. Apesar disso, Trump, que deixa o cargo na próxima quarta-feira (20), apoiou pagamentos de US$ 2 mil aos norte-americanos.