Colunista Atanásio | São pobres… São Pedro: O marketing do falso crescimento.

110

Nos acostumaram a acreditar, que à cidade de São Pedro da Aldeia é o novo “eldorado” da Região dos Lagos. Esse fato se dá por alguns aspectos como por exemplo: a chegada de algumas empresas no município e a ida de empresas de Cabo Frio para lá.
É muito comum ouvir os políticos e alguns órgãos da imprensa de Cabo Frio exaltar esse “feito” e colocar à cidade de São Pedro da Aldeia como exemplo de gestão a ser seguido. Mas, será que é tudo isso mesmo? Será que São Pedro é de fato merecedora de tantos elogios? Bom, para responder essa pergunta eu irei recorrer aos números e dados fornecidos por vários órgãos.

ECONOMIA

Não diferente de suas coirmãs Cabo Frio, Arraial do Cabo, Araruama e Iguaba Grande. São Pedro da Aldeia também mantém seus pilares econômicos nas receitas vindas do governo do estado e federal. Mesmo trazendo empresas de fora a economia da cidade pouco se desenvolveu e a geração de emprego e renda não aconteceu como previsto.

O IBGE-Cidades revela que São Pedro da Aldeia em 2018 pouco se desenvolveu e apenas 18,1% de sua população tinha carteira de trabalho assinada. Já os dados da Controladoria Geral da União nos apresenta um pilar da economia que deve ser levado em consideração, são eles: Bolsa Família que injeta mais de R$ 12 milhões/ano e o BPC (Benefício de Prestação Continuada – Aposentadoria paga pelo Governo Federal) que injeta mais de R$ 29 milhões/ano, representando quase 15% de toda economia.

Entenda o que foi o ano de 2019 nas receitas de São Pedro:

Royalties R$ 15,6 Milhões
Bolsa Família R$ 12,3 Milhões
BPC R$ 29,9 Milhões
Fundo de Participação dos Municípios R$ 34,9 Milhões
FUNDEB R$ 47,1 Milhões
Fundo Nacional de Saúde R$ 22,7 Milhões

Lembrando que São Pedro da Aldeia arrecadou em 2019 R$ 291,1 Milhões e que SIM, o Governo Federal é quem sustenta a cidade e não o “CRESCIMENTO” das peças publicitárias divulgadas aos quatro cantos.

A REALIDADE DOS ALDEENSES

Dos 31 bairros de São Pedro da Aldeia, 82% vivem as margens da sociedade, não tendo saneamento, saúde e educação adequadas, vivem uma realidade que as peças publicitárias escondem, mostrando que a economia e desenvolvimento daquela cidade é uma grande farsa alimentada por quem se beneficia politicamente. Em 2019 o governo de São Pedro da Aldeia investiu na cidade apenas 2,7% de todo o seu orçamento, outra prova que o tal desenvolvimento da cidade não existe.
Veja o que diz o trecho de uma reportagem no site *Dezembro Roxo:

“São Pedro da Aldeia possui uma população de 98.470 habitantes e muitos desses habitantes são crianças e adolescentes vivendo em situação de pobreza extrema, privadas de itens básicos para uma vida digna, como água, estudo e moradia, por exemplo…”

Dados do Instituto de Segurança do Estado mostram claramente o reflexo da face escondida dessa farsa de desenvolvimento, aumento circunstancial da violência como roubo de rua, roubo de cargas, homicídios, roubo a estabelecimentos comerciais, etc…
No ranking da economia de todo o estado a cidade aparece em 53º lugar entre os 92 municípios, sinalizando que não, não há e nunca houve o tal desenvolvimento.

Poderia levar horas escrevendo sobre a farsa que criaram sobre o “desenvolvimento” da querida cidade de São Pedro, mas acredito que não haverá necessidade, pois você leitor já entendeu que em São Pedro a população não sentiu o impacto deste “crescimento” tão decantado e que a maioria da população SÃO POBRES.

*Dezembro Roxo é uma campanha de conscientização e incentivo às doações de parte do Imposto de Renda devido para o Fundo para Infância e Adolescência (FIA).

Meu nome é Manoel Atanásio, sou estudante de gestão pública e moro em Cabo Frio desde 1996. Aprendi a amar a cidade e sua gente e resolvi estudar a cidade, nossa gente, nossa economia, nossa história e principalmente o que seria o nosso futuro. Observando que Cabo Frio só poderia se desenvolver se tiver a colaboração das cidades vizinhas, eu comecei em 2012 a estuda-las.

Esta coluna tem como objetivo dividir conhecimentos e expor sem impor a minha opinião acerca de vários assuntos de nosso cotidiano. Buscando respostas no passado, observando o presente e analisando o futuro.

Obrigado pela leitura e até a próxima.