Bitcoin bate recorde e atinge marca de US$ 60 mil pela primeira vez

565

Os preços do Bitcoin continuam subindo rapidamente. A criptomoeda ultrapassou US$ 60.000 no sábado e atingiu um novo recorde, poucas semanas depois de chegar a US $ 50.000.

A criptomoeda, que atingiu 60.120 dólares em seu melhor nível na sessão até 9h20 (horário de Brasília), subiu mais de 2% em relação ao recorde anterior de 58.354,14 dólares atingido em 21 de fevereiro. Os bitcoins em circulação já valem mais de US$ 1 trilhão.

Os preços do Bitcoin mais que dobraram até agora neste ano, um aumento de 107% em relação ao preço de fechamento de 31 de dezembro de US$ 28.987,60. Os investidores estão animados com o fato de a Tesla (TSLA) de Elon Musk ter anunciado em fevereiro que possui US$ 1,5 bilhão em bitcoins em seu balanço patrimonial. A Tesla também disse que pretende permitir que os consumidores usem bitcoin para comprar seus carros e SUVs.

Isso gerou especulações de que outras grandes empresas podem em breve adicionar bitcoin ou outras criptomoedas a seus balanços, já que o bitcoin está gerando um retorno significativamente maior do que títulos e dinheiro.

A empresa de software MicroStrategy (MSTR) tem comprado ativamente bitcoin. As principais empresas financeiras estão ajudando a validar a criptomoeda. Os gigantes do Payments Square (SQ) e PayPal (PYPL) permitem que seus usuários comprem e vendam. Os gigantes do processamento de cartão de crédito Visa (V) e Mastercard (MA) também estão adotando criptomoedas. BlackRock (BLK) e Bank of New York Mellon (BK) também começaram a se envolver com bitcoin.

Os investidores estão migrando para o bitcoin por causa da percepção de que a moeda pode ser uma boa proteção contra a inflação e um dólar mais fraco se os rendimentos dos títulos continuarem a subir.
Os defensores do bitcoin argumentam que a criptomoeda é como o “ouro digital” e pode até substituir o metal amarelo como o antídoto de escolha para a inflação. Para esse fim, o bitcoin disparou este ano, enquanto o ouro caiu.

Os temores de inflação voltaram agora que o presidente Joe Biden assinou o pacote de estímulo de US$ 1,9 trilhão. Existem preocupações sobre se esse dinheiro é realmente necessário. Alguns temem que o estímulo possa causar superaquecimento da economia e levar a uma inflação muito mais alta. Afinal, agora existem várias vacinas Covid-19 e mais pessoas estão retornando ao trabalho, o que deve impulsionar a economia – e os preços do bitcoin.

O Bitcoin se beneficiou do reconhecimento dos investidores de que a criptomoeda é mais escassa do que ouro ou outros metais preciosos. Isso porque há um limite de apenas 21 milhões de bitcoins embutidos no código-fonte da criptomoeda disponível para ser minerado – o processo de usar computadores ou servidores para resolver problemas matemáticos complexos para gerar bitcoin. Cerca de 18,6 milhões de bitcoins estão em circulação.

O bitcoin não é a única criptomoeda que está ganhando impulso. Moedas digitais menores, como ethereum, litecoin e estelar, dispararam em 2021.

O otimismo sobre as criptomoedas impulsionou as ações de empresas de mineração de criptografia de capital aberto, como Riot Blockchain (RIOT), Marathon Patent Group (MARA) e Hive (HVBTF). E a bolsa de criptomoedas Coinbase, que entrou com pedido para listar suas ações diretamente no final deste ano, é uma das estreias no mercado de ações mais esperadas em 2021.

(Com informações da Reuters)