Secretário saca arma e ameaça comerciante em plena Rua das Pedras

666

O secretário de segurança de Búzios, Sérgio Ferreira dos Santos, sacou uma pistola em plena Rua das Pedras, um dos mais importantes cartões-postais do balneário, na noite de sábado, para ameaçar um comerciante. O motivo da truculência e do abuso de autoridade foi o excesso de mesas e cadeiras instaladas pelo proprietário do restaurante, que não aceitou a apreensão das mesas pelos fiscais da postura.

— Isso pra mim é roubo. Se não tem notificação, é roubo, reagiu o comerciante enquanto retirava da carroceria da CHEVROLET/S10 ADV FD2, BRANCA, placa LNH 6G79 da Postura as mesas e cadeiras apreendidas.

— Pra cima de mim vocês não crescem, não irmão. Sou trabalhador e trabalho dia e noite pra sustentar essa cidade, inclusive, a Postura… Eu e minha mulher, igual uns FDP, esbravejou o comerciante indignado.
A situação piorou com a chegada do secretário. Sérgio estava descontrolado, sacou a arma e partiu pra ameaça.
— Tira a mão dessa porra. Tira a mão, tu tira a mão dessa porra, gritou o secretário, de arma em punho, sem se importar com turistas e pedestres que assistiam a cena atônitos, inclusive, gravando imagens no celular. O comerciante, entretanto, não se intimidou nem sob a mira da arma e mas ameaças do secretário de Alexandre Martins.
— Vai atirar em mim…. Um comerciante trabalhador da cidade. Sou dono da restaurante, disse o proprietário do restaurante sob a mira da pistola.

O secretário, descontrolado, prosseguiu

—Você pagou duas mesas, maluco, e quer colocar duzentas?
— Meu querido, eu paguei tudo, a prefeitura não me deu o papel porque está em pandemia.
— Quem falou isso?
— O meu advogado, respondeu o comerciante que acabou cercado pelo grupo do secretário e foi alvo de xingamentos e palavrões.

O secretário é acusado, um vídeo que circula com as imagens da confusão a ignorar outros restaurantes da Rua das Pedras que, segundo testemunhas, estavam com 100% de ocupação desrespeitando as medidas de prevenção a propagação da COVID. O governo Alexandre Martins não se pronunciou sobre o caso. Nem informou se o secretário será punido.