GASPARZINHO | Jânio Mendes bate ponto em Cabo Frio com salário de R$ 15 mil na Alerj

461

O ex-deputado Jânio Mendes tem batido ponto na prefeitura de Cabo Frio desde a posse do prefeito José Bonifácio, apesar de receber cerca de R$ 15 mil por mês de salário da Assembléia Legislativa do Estado. O ex-deputado, apontado como um dos principais articuladores políticos e conselheiros do prefeito, não esconde a atuação junto ao governo em postagens nas redes sociais onde aparece em reuniões e em viagens com o prefeito em horário de expediente na Assembleia.

O diretor financeiro da ALERJ, ontem, por exemplo, em plena segunda-feira, estava acompanhando o prefeito José Bonifácio na vistoria que o governador Claudio Castro fez, no início da tarde, ao Hospital Unilagos. Ele foi fotografado em frente a unidade pouco antes de ser barrado por seguranças do governador e não conseguir entrar para acompanhar a vistoria.

Na semana anterior, Jânio Mendes participou de, pelo menos, outras três reuniões ao lado de José Bonifácio, entre elas com o prefeito de Niterói, todas documentadas por fotos e publicadas por ele próprio nas redes sociais, quando deveria estar trabalhando na Assembleia.

Jânio, que recusou integrar o primeiro escalão do governo, para não ter que trocar o salário de R$ 15 mil da Assembleia Legislativa por um salário de R$ 6 mil numa secretaria em Cabo Frio, nomeou a filha, Daniela Mendes, para a Fazenda, mesmo assim, tem ocupado os espaços políticos dentro do governo, segundo fontes do RLagos costurando apoio governamental para tentar voltar a Assembleia, como deputado, nas eleições do próximo ano.

Jânio, figura fácil no gabinete do prefeito, nunca postou uma foto na sala que ocupa na Assembleia Legislativa do Estado do Rio, onde aprece lotado, de acordo com o portal da transparência da ALERJ como diretor financeiro, mas é apontado, em Cabo Frio como o principal articulador da exoneração de Jefferson Vidal da presidência da COMSERCAF.

O ex-deputado, segundo as mesmas fontes do governo, estaria interessado na presidência da Companhia de Desenvolvimento de Cabo Frio – que ele costumava chamar de “ralo da corrupção de Cabo Frio” nos governos passados – para o seu pupilo, o vereador, líder de governo na Câmara, Davi Souza.