PSOL entra com representação contra Governador do Rio

231

 A bancada do PSOL-RJ deu entrada, nesta quarta-feira, com um representação no Ministério Público do Rio para buscar a imediata apuração das irregularidades cometidas pelo governador Cláudio Castro ao realizar uma festa de aniversário em Petrópolis, na Região Serrana do Rio, no último domingo (28). O evento aconteceu dois dias após o governador pedir para a população ficar em casa e evitar aglomerações. Pelo menos 20 pessoas estavam no local, todas sem máscara.

Thank you for watchingPara a deputada estadual Renata Souza, há fortes indícios de improbidade, de violação do Código de Ética dos servidores públicos e ainda de desrespeito ao decreto municipal petropolitano que proíbe aglomerações.

“Castro contribuiu para o alastramento ainda maior da pandemia com o seu péssimo exemplo e ainda utilizou recursos do governo e servidores públicos para realizar a sua festa particular. Logo ele que havia dito antes, corretamente, que este não era momento para festas, caiu em grave contradição. E temos visto em nosso país a gravidade dos impactos das atitudes dos governantes que se voltam contra a saúde e a vida da população”, afirmou a deputada.

Além de Renata Souza, Flavio Serafini, Eliomar Coelho, Monica Francisco e Dani Monteiro, os deputados Waldeck Carneiro e Enfermeira Rejane também assinaram o documento proposto pela líder da bancada do PSOL.

Cláudio Castro ignora o próprio decreto e faz evento em Itaipava

O governador em exercício Cláudio Castro promoveu, neste domingo (28), um evento em comemoração ao seu aniversário de 42 anos, completados nesta segunda-feira (29), em uma casa no bairro de Itaipava, em Petrópolis, Região Serrana do Rio.

Castro não somente desrespeitou o decreto estadual, como também desobedeceu o decreto municipal de Petrópolis, que proíbe aglomerações e a realização de festas de aniversário, mesmo em ambientes privados, durante a pausa emergencial, que vai até domingo (4).Na sexta-feira (26), o governador em exercício havia pedido para que os moradores do Rio de Janeiro evitassem aglomerações. “Não é hora de fazer festa, tem muita gente morrendo, muita gente na fila de hospital, esse é um feriado para ficarmos em casa, evite aglomeração”, disse ele horas antes de viajar para a região serrana com a família.