DRAMA SEM FIM | Descaso de políticos tem agravado a dor de famílias da Região dos Lagos

593

O corpo de uma mulher, vítima de acidente automobilístico na manhã desta segunda-feira (05) na RJ -106, altura de Iguaba Grande, levou cerca de sete horas para ser removido do local. O descaso de políticos da região que não conseguem reabrir o Instituto Médico Legal de Cabo Frio, fechado há mais de cinco anos para necropsias, tem agravado a dor de famílias da região que perdem parentes e amigos de forma trágica.

A incompetência de prefeitos e da bancada da região na Assembleia Legislativa do Estado tem feito com que a remoção de corpos de vítimas de acidentes, afogamentos ou mesmo de crimes violentos demore uma eternidade para ser removido do local. As famílias vivem um drama e são obrigadas a conviver com o assédio de curiosos porque as necropsias estão sendo feitas em Macaé e São Gonçalo já que o IML de Araruama também está fechado.

Em julho de 2019 o deputado Sérgio Luiz Costa Azevedo Filho, o Dr. Serginho, anunciou que a Assembleia Legislativa repassou R$ 250 mil para a polícia civil fazer a instalação da nova sede do IML nos fundas da 126 DP. Segundo ele, na época, a obra teria início em quatro meses, mas não foram iniciadas.

Serginho e Mauro Bernador em 2019 no IML de Cabo Frio fazendo politicagem que não foi resolvido em nada | Imagem Arquivo Pessoal

Um ano depois, o próprio secretário de Estado de Infraestrutura Obras, Bruno Kazuhiro, esteve em Cabo Frio para vistoriar o prédio do IML a pedido do então prefeito Doutor Adriano e do deputado Mauro Bernardo. O deputado, aliás, é quem garante que o projeto está pronto, que o novo prédio será construído no terreno atrás da delegacia e que as obras podem ter início em três meses.

Segundo ele, depende apenas da doação da área pela prefeitura de Cabo Frio para o Estado. O deputado diz que já conversou sobre o assunto com o prefeito José Bonifácio e obteve dele a promessa da doação para agilizar a construção do prédio. A assessoria de comunicação da Secretaria de Estado de Infraestrutura e Obras diz aque, de acordo com o Departamento Geral de

Polícia Técnico Científica (DGPTC), os Postos Regionais de Polícia Técnico-Científica (PRPTC) de Araruama e Cabo Frio permanecem fechados para exames cadavéricos, embora continuem funcionando para exames de corpo de delito.
As unidades de Araruama e Cabo Frio necessitam de obras e já existem processos abertos para realização dos reparos, com orçamentos já realizados pela Empresa de Obras Públicas (Emop), órgão da Secretaria de Estado de Infraestrutura e Obras (Seinfra).

Os exames de necropsias de cadáveres oriundos dos municípios de Araruama e Cabo Frio estão atualmente sendo realizados em São Gonçalo e Macaé. Essa medida é uma excepcionalidade criada, tendo em vista a baixa de legistas por conta da Covid-19.