Risco de desenvolver coágulo raro é de 8 a 10 vezes maior depois da Covid do que depois de vacina, dizem cientistas de Oxford

259

Pesquisadores da Universidade de Oxford constataram que o risco de desenvolver um tipo raro de coágulo é de 8 a 10 vezes maior depois de ter a Covid-19 do que depois de receber uma vacina contra a doença. Além disso, o risco de ter o coágulo depois da Covid é cerca de 100 vezes maior do que entre a população geral.

A coagulação analisada foi a trombose venosa cerebral, que ocorreu em 6 pacientes entre os quase 7 milhões que receberam a vacina da Johnson – menos de 1 por milhão.

O estudo com os resultados de Oxford ainda não foi revisado por outros cientistas e nem publicado em revista científica, mas está disponível on-line.

Veja a diferença no risco:

  • Entre mais de 500 mil pessoas analisadas que tiveram a Covid-19, o risco foi de 39 casos de trombose venosa cerebral a cada 1 milhão de pacientes infectados. O risco foi significativamente maior entre pacientes com histórico de doenças cardiovasculares.
  • Entre mais de 480 mil pessoas que receberam a vacina da Moderna ou da Pfizer, o risco de trombose venosa cerebral foi de 4 a cada 1 milhão de pacientes vacinados, cerca de 10 vezes menor do que o risco após a Covid;
  • Em pacientes que receberam a vacina de Oxford/AstraZeneca, o risco foi de 5 a cada 1 milhão, cerca de 8 vezes menor do que após a Covid.
  • Na população geral, o risco foi de 0,41 caso de trombose a cada 1 milhão de pessoas. Isso significa que o risco de ter a trombose venosa cerebral depois da Covid é cerca de 100 vezes maior do que na população como um todo.

Os pesquisadores, Paul Harrison e Maxime Taquet, do Grupo de Neurobiologia Translacional de Oxford, analisaram os casos detectados em até duas semanas depois de o paciente ter um diagnóstico de Covid ou de receber a primeira dose de uma das vacinas.

“Chegamos a duas conclusões importantes. Em primeiro lugar, a Covid-19 aumenta significativamente o risco de trombose venosa cerebral, aumentando a lista de problemas de coagulação do sangue que esta infecção causa”, explicou Paul Harrison.

“Em segundo lugar, o risco da Covid-19 [em causar trombose] é maior do que nas vacinas atuais; algo que deve ser levado em consideração ao considerar o equilíbrio entre riscos e benefícios para a vacinação”, ponderou.

Interpretação cautelosa

No artigo, os pesquisadores alertam, entretanto, que os riscos relativos calculados devem ser interpretados com cuidado.

Não é possível, por exemplo, comparar diretamente os riscos de ter uma trombose venosa cerebral associada à vacina de Oxford com qualquer uma das outras vacinas ou com a infecção pelo coronavírus.

Um dos motivos para isso é que os dados de riscos associados à vacina de Oxford vêm do monitoramento da Agência Europeia de Medicamentos – a agência regulatória da União Europeia –, enquanto os das outras vacinas são da TriNetX, uma rede eletrônica de registros de saúde.