Presos estão proibidos de receberem visitas após colapso de contaminação na Seap do Rio de Janeiro

196

Os presos do Estado do Rio de Janeiro estão sem poder receber visitantes ao menos até o próximo dia 25. A suspensão faz parte das medidas adotadas pela Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) para enfretamento ao combate do novo coronavírus (Covid-19) e está alinhada com o endurecumento das restrições adotadas pelo governo do estado.

Com a decisão, a Seap espera reduzir o fluxo de pessoas circulando nos complexos penitenciários, nesse período de agravamento da pandemia. As empresas credenciadas para entrega de alimentos estão liberadas de acessar as unidades, conforme publicação em boletim interno.

O decreto di\z que a medida poderá ser reavaliada a qualquer tempo, conforme mudanças no cenário de saúde pública divulgado periodicamente pelas autoridades sanitárias do Estado do Rio de Janeiro.

Essa não é a primeira vez, durante a pandemia, que as visitas aos presos do sistema penitenciário do Rio são restritas. Em março. no começo da pandemia, a Seap proibiu a entrada em suas unidades de gestantes, crianças, idosos com mais de 60 anos e portadores de doenças que deixem a imunidade baixa. Nos fins de semana também estava restrito número de visitantes e só será permitida a entrada de uma única pessoa por preso.

A visitação foi retomada em setembro. Na ocasião, foram distribuídas máscaras reutilizaveis para os cerca de 48 mil presos, que deveriam usar a proteção durante os encontros,além da exigência do distanciamento durante as visitas.

Delivery substitui entrega presencial de produtos a presos

Também com o objetivo de reduzir a circulação de pessoas pelas unidades prissionais, a Seap informou que os presos do estado do Rio vão contar, ainda este mês, com um serviço de entrega de produtos de alimentação, higiene pessoal, limpeza, beleza, vestuário, papelaria e cigarros. A ideia é que esse delivery substitua a chamada custódia, como é chamado o conjunto de itens que são levados semanalmente até as cadeias pelos familiares dos detentos.

Famílias e visitantes cadastrados poderão fazer os pedidos pela internet, telefone ou presenciamente nas empresas fornecedoras. A entrega ocorrerá semanalmente, como ocorre com a custódia.