Colunista Manoel Atanásio | “O Frouxo e o Administrado

340

Tá claro para quem quiser ver que José Bonifácio Novellino ainda não disse a que veio.

Com quase 5 meses de governo fica quase que impossível uma não comparação com o governo antecessor para fazermos a prova dos nove.

Antes é preciso que eu esclareça aqui que quem chamava o ex prefeito Dr Adriano de governo “frouxo” eram os mesmos, ou melhor, a grande maioria de correligionários do atual prefeito Zé Bonifácio que o elegeram convencendo a população que ele sempre foi um grande “administrador”.

Começarei por tópicos e este é o primeiro.

A PANDEMIA

O FROUXO mesmo desconhecendo a gravidade do problema montou uma tenda de triagem na UPA Parque Burle, criou um gabinete de crise, abriu o hospital unilagos no peito e na raça, contratou motoboy’s para entregar os medicamentos das unidades de saúde nas casas dos pacientes, criou novas gavetas no cemitério Jardim dos Eucaliptos para no caso de óbitos em massa, equipou todo o hospital de Tamoios faltando apenas a instalação de um gerador, reformou o Pam e as Upas, abriu as UTI’s do Jardim Esperança e distribuiu cestas básicas.

Detalhe, o frouxo tinha um vereador combatente que exigia todas as informações relacionadas a covid-19 na cidade. E aqui me refiro a Rafael Peçanha II .

O ADMINISTRADOR logo em sua primeira declaração disse que mudaria e de fato mudou, o nome do “gabinete de crise” para “gabinete de soluções” que cá entre nós, não se mostrou eficaz ainda. Não tomou nenhuma atitude para frear o número de turistas no réveillon, recebeu o primeiro lote de vacinas com 17 dias de governo, o atendimento nas unidades hospitalares piorou visivelmente, não tomou nenhuma atitude eficaz no feriado de carnaval e ainda repudiou o batalhão de choque que dispersou as aglomerações na praia do forte, trocou a tenda de triagem da covid-19 da UPA Parque Burle alegando uma economia de R$ 3 mil reais/mês mas não disponibilizou a quantidade de médicos suficiente para atendimento da população (o popular não tem médico), desmontou as UTI’s do hospital de Tamoios alegando que montaria um hospital de referência no Jardim Esperança, fato que nós cidadãos ainda aguardamos, viu os números de casos de óbitos aumentarem na cidade mas não tomou atitude alguma, esteve em Maricá alegando que havia conseguido vagas de leitos para o tratamento da covid-19 e não se atentou que naquele mesmo dia (17/03) Maricá recorreu ao governo federal por custeios de novas vagas para a cidade e três dias depois foi obrigado a alegar que não haveria mais as vagas em Maricá, vê a vacinação caminhando lentamente e alega que isto se dá por conta das doses guardadas para a segunda aplicação, só que na soma geral, primeira e segunda doses sempre sobraram mais de 10 mil doses, vê os números de óbitos por covid-19 se igualar ao do ano passado e não dá uma satisfação a população, dias depois vê esse número ultrapassar e continua em silêncio e assim segue o governo.

Detalhe, o administrador tem em seu quadro do primeiro escalão um ex vereador que era combate na questão do covid-19 e que sabe que a comparação que faço acima são baseadas em fatos reais mas está calado. E aqui me refiro a Rafael Peçanha.”