Mulheres alertam para golpe de falso investidor financeiro que se aproxima através de aplicativos de relacionamento

227

Um grupo de mulheres se reuniu para alertar outras pessoas sobre um golpe do falso investidor que se aproxima das vítimas por meio de aplicativos de relacionamento ou de redes sociais. Uma delas mantém ativo o perfil no Instagram @golpista_danilosmelo, em que expõe os relatos, fotos e informações a respeito do mesmo homem que já teria enganado cerca de 10 mulheres, principalmente no estado de São Paulo, desde 2019.

O caso mais recente conhecido ocorreu em Balneário Camboriú (SC) na última sexta-feira, dia 23, quando ele foi levado para a Central de Plantão Policial. No entanto, de acordo com a Polícia Civil de Santa Catarina, o delegado plantonista afirmou não haver condições para efetuar prisão em flagrante e, consequentemente, o suspeito foi liberado após prestar depoimento. A vítima e testemunhas também foram ouvidas e, ainda segundo a corporação, todo material relacionado ao caso foi encaminhado para a comarca para instauração de inquérito policial. Em nota, a Polícia Civil disse que, se necessário, novas investigações serão realizadas.

O GLOBO recolheu relatos de cinco mulheres que se relacionaram o suspeito pela prática de estelionato. Para quatro delas, ele se apresentou como Danilo de Souza Melo, de 32 anos, diretor da XP Investimentos. A empresa, contudo, afirmou que este homem nunca fez parte de seu quadro de funcionários. De acordo com as vítimas, Danilo até mesmo oferece vagas de emprego na investidora, além de mostrar interesse nas finanças pessoais delas e dizer que aplicará suas economias em um fundo de investimentos com boa rentatibilidade.

— Ele acredita na própria mentira dele — ressaltou uma das vítimas. — Por falar muito abertamente de dinheiro e dos milhões que ele teria, a gente se sente até mal, então quer mostrar pra ele que não, que você trabalha, que não está com ele por dinheiro, e aí acaba dando mais informação do que deveria, principalmente para uma pessoa desconhecida.

A histórias contadas por elas possuem diversos pontos em comum, como a passagem dele por Portugal. Uma das mulheres, que vive em Lisboa, disse ter conhecido o Danilo através de um aplicativo de relacionamento no final de 2018. Os demais casos, ocorridos no estado de São Paulo, ocorreram posteriormente. Os namoros costumam durar entre um e três meses.

— Aparentava uma pessoa normal, era simpático, sabia conversar de todos os assuntos. Ele contou que tinha se divorciado há pouco tempo (verdade), e que tinha vindo pra cá viver uma experiência diferente. As histórias – que depois descobrimos que eram mentiras – isoladamente não pareciam nada demais. Mas quando fomos juntando as peças, percebemos que o número de mentiras era grande! — contou a moradora de Lisboa, para quem ele dizia fazer pós em mercado financeiro. Até então, ele não teria se identificado como funcionário da XP.

Entre as informações que Danilo conta e que são tidas como falsas pelas vítimas estão assuntos familiares, como um suposto câncer terminal que a mãe dele teria tido, o que justificaria seus afastamentos.

— Quando a gente descobre, começa a alertar para as próximas vítimas. Apareceu essa vítima em Balneário que conseguiu descobrir pelo Instagram — destacou um dos alvos de Danilo.

Segundo a brasileira em Portugal, ele regressou ao Brasil em meados de 2019. Desde então, foram registradas ocorrências em municípios do interior, a exemplo de Limeira e do Guarujá.

Segundo a Polícia Civil de Sao Paulo, o caso em Limeira é investigado por meio de inquerito policial instaurado pelo 2º DP para apurar o crime de estelionato. O suspeito foi ouvido e o material da investigação foi encaminhado à Justiça em julho de 2020. “Após solicitação do Ministério Público”, informou a corporação, “o inquérito retornou à unidade para cumprimento de novas diligências”.

— Dava a entender de ser uma pessoa bem sucedida, andava bem apresentado, comprou uma BMW — contou a vítima do Guarujá, que disse ter feito uma transferência de R$ 10 mil para Danilo, acreditando que seu dinheiro seria investido. — Dizia ter cartão black, mas era uma fita que ele colava para disfarçar a origem.

Outro ponto em comum relatado pelas vítimas é o uso por roupas de grife e preferência por restaurantes caros. Uma delas, com quem se relacionou no primeiro semestre de 2020, afirmou que ele dizia não possuir conta báncaria no Brasil por ter voltado de Portugal fazia pouco tempo e, por isso, pedia que ela sacasse dinheiro para pagar suas despesas, com a promessa de que lhe pagaria depois. No entanto, segundo ela, isso não aconteceu e acabou perdendo R$ 22 mil.

— Ele até falava do investimento, se eu tinha algum dinheiro pra investir e que ele faria render, mas ele sempre dava a desculpa que a conta dele era de Portugal, ele não tinha conta aqui, e se eu poderia sacar dinheiro pra ele, que depois iria me ressarcir. Só que esse dinheiro nunca caiu — contou ela, citando que os principais gastos foram em marcas de grife, aluguel de carro e restaurantes.

Outra vítima, que disse ter saído com o Danilo por três meses no início de 2020, explicou que, por ter ficado desempregada naquela época, acabou lhe entregando sua carteira de trabalho quando ele ofereceu uma vaga na XP, que depois ela descobriu fazer parte da farsa.

— Diversas vezes pediu meu carro emprestado para ir trabalhar aqui em São Paulo e em outras cidades aonde na verdade ia encontrar outras vítimas — contou.

Ela afirmou ainda ter emprestado a ele R$ 1,6 mil, que não teriam sido recuperados, e que o apartamento aonde ela foi como se fosse dele na verdade era a residência de outra mulher com quem ele vinha se relacionando.

— Cheguei a frequentar por duas vezes um apartamento que ele dizia ser dele pedindo para dizer na portaria que iria na casa de uma mulher (não posso expor o nome dela) dizendo que sua prima havia morado lá durante o seu tempo em Lisboa e que ela estava para transferir a documentação para o seu nome e retirar suas coisas do apartamento, o que nunca ocorreu pois há pouco descobri que o apartamento era de uma das vítimas que havia viajado.

Além disso, em um encontro com a vítima e a família dela, o suspeito demonstrou interesse em comprar uma Mercedes e pediu indicação de concessionária para o pai da moça. A partir do momento em que a loja começou a reclamar do envio de comprovantes falsos de pagamento, nasceram as suspeitas de que havia algo errado.

— Comecei a me afastar, achei as coisas estranhas — disse a vítima moradora da capital paulista, completando não saber até hoje o que aconteceu com sua carteira de trabalho. — As pessoas muitas vezes julgam e não acreditam (às vezes nem eu mesma acredito) que com a minha educação e formação fui capaz de cair nesse golpe mas ele sabia muito bem jogar de maneira emocional e psicológica de forma que muitas pessoas que dizem isso também teriam caído.

Também faz parte dos alertas das mulheres que os golpes podem ser direcionados para amigos homens, em geral relacionados a viagens, a quem ele prometeria passagens mais baratas ou compra de dólar ou euro por um valor mais baixo que casas de câmbio.

Em uma das postagens no Instagram, é relatado que o Danilo já foi banido do aplicativo Happn, um dos que ele usava para se aproximar das mulheres para relacionamentos amorosos. No entanto, conforme elas relatam, há uma série de outras plataformas que ele também utiliza.

Procurado, o Happn informou que não pode compartilhar informações sobre usuários específicos devido às recomendações da LGPD e à política de privacidade do aplicativo.

“Por outro lado, encorajamos nossos usuários a relatar qualquer perfil que eles considerem suspeito. Para este fim, o happn disponibiliza uma ferramenta de denúncia, dentro do próprio aplicativo. Esta ferramenta é de fácil acesso e está disponível na página de perfil de cada usuário. Os usuários também podem contatar diretamente nossa equipe de suporte ao cliente, comunicando todas as informações relativas ao perfil suspeito. Este contato pode ser feito através do formulário de aplicação (Ajuda > Fale conosco), ou através de nosso site”, orientou a empresa.