Dama do Fuzil diz está traumatizada com tanta violência e diz que todos os policias vão pagar pela vida de seu filho, no Rio

"Peço que respeitem a minha dor", disse a mulher na manhã deste sábado ao tentar a liberação do corpo do filho no IML

529

A dama do fuzil mãe de um dos 27 traficantes mortos na operação do Jacarezinho, disse, neste sábado (8), que está traumatizada com a morte do filho dentro da comunidade. “Peço que respeitem a minha dor, estou traumatizada”, desabafou. Os números divulgados pela Polícia Civil neste sábado eram de 29 mortes por conta da operação no Jacarezinho, mas a instituição corrigiu para 28 à noite.

Com uma camisa com a foto do filho, a mulher disse que irá pedir justiça pelas mortes. Ela esteve no Instituto Médico Legal para a liberação do corpo, mas até a publicação da matéria não havia informações sobre enterro dos mortos no confronto com a polícia.

De acordo com a Polícia Civil, a operação foi para cumprir 21 mandados de prisão contra homens acusados de aliciar menores para o crime. Durante a operação, um policial civil foi baleado na cabeça e morreu. Outros dois agentes ficaram feridos sem gravidade. 

Em um vídeo divulgado na redes socias, a dama do fuzil nega para o jornalista Roberto Cabrine, e para um dos jornalista da Rede Globo, que não era era que segurava aquele fuzil que jamais fez parte do crime, e que sempre trabalhou para sustentar seus filhos. A mesma ainda fala que seus filhos e ela nunca foram bandidos que nunca viu um fuzil na sua frente.

De acordo com a Polícia Civil, a operação foi para cumprir 21 mandados de prisão contra homens acusados de aliciar menores para o crime. Durante a operação, um policial civil foi baleado na cabeça e morreu. Outros dois agentes ficaram feridos sem gravidade.