SÃO PEDRO DA ALDEIA – Um sargento da Marinha, lotado na base aeronaval de São Pedro da Aldeia, morreu nesta segunda-feira (10), vítima da Covid-19. O Sargento Telles, que servia no Esquadrão de Manutenção, estava há uma semana intubado na UTI do Hospital Naval Marcílio Dias, para onde foi enviado com a piora do quadro de saúde.

Segundo pessoas próximas, Telles acreditava ter sido infectado em um evento na base da Marinha do Brasil em São Pedro da Aldeia, onde fica o Comando da Força Aeronaval.

De acordo com denuncias no dia 14 de abril, em meio ao caos que o país se encontra, foi servido um coquetel de Confraternização dos Oficiais do Esquadrão de Manutenção da Marinha do Brasil na base. Enquanto o Brasil registra 40 milhões de pessoas abaixo da linha da pobreza, o cardápio do banquete contou com salmão ao molho de camarão, filé mignon ao molho de champignon, uísque 12 anos, Prosecco e cerveja importada. A confraternização foi registrada por um dos militares.

O Sargento trabalhou nesse coquetel como garçom. Ainda segundo informações, no mesmo evento havia um Oficial que dizia estar com Covid, mas que não estava sentindo “nada”, então resolveu participar, para piorar, sem máscara. Pessoas próximas afirmam que Telles chegou a comentar que esperava que a declaração fosse uma brincadeira “de mau gosto” da parte do superior.

Como resultado, em menos de uma semana, no dia 20 de abril, o Sargento Telles já sentia os sintomas da doença e acreditava ter sido contaminado no coquetel. Com o avanço desses sintomas, no período de aproximadamente 10 dias ele já aguardava por um lugar na UTI do Hospital Naval Marcílio Dias; depois de uma semana intubado na unidade, teve uma piora no quadro de saúde e foi a óbito.

Ainda segundo pessoas próximas, antes de ser internado ele se queixava do desespero que sentia ao ter que servir nesses eventos, colocando em risco a própria vida.

Muito querido entre os colegas, Telles recebeu um cortejo antes de ser enterrado nesta terça-feira (11).

De acordo com o boletim epidemiológico da Secretaria de Saúde, a cidade está na bandeira vermelha, que representa risco alto de contágio da Covid-19. O decreto limita o horário de funcionamento de bares e restaurantes, com isso, muitos empresários e comerciantes tem tido prejuízo e alguns estão fechando as portas.

Além dos eventos programados, que já contrariam todas as medidas, a denúncia aponta que toda quarta-feira acontece uma confraternização na escola dos militares, que fica nas proximidades da distribuidora Marbela, na Rodovia Amaral Peixoto. O encontro acontece entre 8h e 9h da manhã, e nele, os oficiais tomam um café da manhã reforçado, que inclui bebidas alcóolicas e reúne em torno de 30 a 40 pessoas aglomeradas.

Ainda de acordo com a informação, o comandante que organiza esses encontro das quartas-feiras também contraiu a Covid-19 e está afastado.