BOZO DA MOTOCA | Apoiadores de Bolsonaro se aglomeram em concentração de ‘Motociata’ na Barra da Tijuca, Dr Serginho e outros deputados participam do evento

281

Rio – Apoiadores de Jair Bolsonaro se aglomeram no início da manhã deste domingo, em frente ao Parque Olímpico, na Barra da Tijuca, na Zona Oeste, onde o presidente participa da concentração de evento. Com bandeiras, faixas e muitos motociclistas, grupo ocupou duas faixas da Av. Embaixador Abelardo Bueno, de onde partiu a ‘Motociata’ liderada por Bolsonaro que deve ir até o Aterro do Flamengo.

O presidente Jair Bolsonaro participa de um passeio de moto com apoiadores na manhã deste domingo, no Rio de Janeiro. A concentração de apoiadores à espera do presidente no Parque Olímpico, Zona Oeste, provocou a aglomeração de milhares de pessoas, muitas sem utilizar máscaras de proteção contra a Covid-19.

Pouco depois das 10h, quando a manifestação estava marcada para sair em direção à Zona Sul da cidade, Bolsonaro, também sem máscara de proteção, passou de moto acenando para seus apoiadores nas calçadas, muitos com camisa e bandeira do Brasil, gritando “mito”.

Grande parte dos motociclistas que acompanham o presidente é de integrantes de motoclubes, que buzinam e carregam bandeiras do Brasil. Na Avenida das Américas, apoiadores esperavam o comboio no canteiro central tirando fotos e acenando. A expectativa dos organizadores é que 10 mil motociclistas participem da manifestação.

A concentração de manifestantes provocou o fechamento da Avenida Embaixador Abelardo Bueno, sentido Centro. A CET-Rio informou que dará apoio para auxiliar na organização do trânsito, trabalho que também conta com a Secretaria Municipal de Ordem Pública (SEOP) e agentes da Guarda Municipal.

Durante a concentração, ocorreram protestos isolados contrários à vacinação contra a Covid-19 e gritos para “liberar a ivermectina”, medicamento sem eficácia comprovada para a doença, mas defendido pelo presidente como forma de tratamento precoce.

Na passagem das motocicletas, manifestantes gritavam frases como “é pelo Brasil”, “Bolsonaro 2022” e “robozada”, uma referência irônica à acusação de que os apoiadores do governo usam robôs virtuais para replicar e disparar publicações nas redes sociais.

Muitas pessoas nas janelas dos prédios também gritaram contra Bolsonaro e fizeram um panelaço quando a “motociata” passou, além de panelaços.

Dezenas de motos que participam do evento estão com a numeração das placas tampadas com adesivos, fita ta isolante e máscaras faciais.

Organizado por Waldir Ferraz, ex-assessor e amigo do presidente, o “passeio de moto com o Bolsonaro” percorrerá cerca de 60 quilômetros e terminará no Monumento aos Pracinhas, no Aterro do Flamengo. É esperada a participação do ministro chefe da Casa Civil, Luiz Eduardo Ramos.

Em nota, a Polícia Militar informou que a manifestação passará pela área de quatro unidades da Corporação: Barra da Tijuca, Leblon, Copacabana e Botafogo. Mais de 20 unidades da PM, com cerca de mil homens, foram mobilizadas para fazer a segurança.

“As Unidades de Polícia Pacificadora da Rocinha e do Vidigal estarão acompanhando a manifestação até o término do evento, tendo em vista a utilização da Autoestrada Engenheiro Fernando Mac Dowell (antiga Lagoa-Barra) e a Avenida Niemeyer como percurso do comboio presidencial”, informa a PM sobre o caminho que será percorrido pelo chefe do Executivo.

O Batalhão de Rondas Especiais e Controle de Multidão (Recom) também acompanha a manifestação. O Batalhão de Vias Expressas (BPVE) estará na Linha Amarela, Avenida Brasil, Linha Vermelha e Transolímpica.

No domingo de Dia das Mães, Bolsonaro fez um passeio com motociclistas, em Brasília, que durou duas horas e encerrou no Palácio da Alvorada. O presidente causou aglomerações e, sem máscara, foi cumprimentar apoiadores.

Na ocasião, Bolsonaro disse que o passeio seria repetido em outras cidades. Ele havia citado o Rio, São Paulo e Belo Horizonte. Segundo o presidente, o ato foi uma demonstração de amor à Pátria.

— É uma demonstração não-política, é uma demonstração de amor à Pátria de todos aqueles que querem paz, tranquilidade e liberdade acima de tudo — declarou o presidente em Brasília, onde também foi recebido pela multidão aos gritos de “mito” e “eu autorizo”.