BOZO DA MOTOCA | Bolsonaro ataca governadores e prefeitos em discurso a apoiadores após ‘motociata’ sem máscaras e com alta aglomerações

184

O presidente da república, Jair Bolsonaro (sem partido), fez duras críticas ao lockdown promovido por governantes durante discurso para apoiadores, na manhã deste domingo, em evento de motociclistas no Aterro do Flamengo, na Zona Sul. A “Motociata”, como foi chamado nas redes sociais, começou por volta das 8h da manhã e terminou no Monumento dos Pracinhas, local onde ocorreu o discurso do presidente, pouco antes das 12h.

O ato contou com a participação de milhares de apoiadores.”Desde o começo, eu disse que nós tínhamos dois problemas: o vírus e o desemprego. Muitos governadores e prefeitos simplesmente ignoraram a grande maioria da população brasileira e, sem qualquer comprovação científica, decretaram lockdowns, confinamentos e toque de recolher”, disse o presidente, do alto de um trio elétrico posicionado a frente do monumento. 

Bolsonaro chegou a se referir como ditadura a iniciativa dos governantes para frear a pandemia de Covid-19, que já matou mais de 450 mil pessoas e contaminou mais de 15 milhões em todo país. “Hoje, vocês já sabem o que é uma democracia e uma tentativa, um início de ditadura, patrocinada por esses governadores”, declarou.

O presidente também se referiu ao Exército Brasileiro como sua propriedade ao defender que jamais colocaria as forças na rua para impedir o direito de ir e vir do cidadão. “O meu Exército Brasieleiro, a nossa Polícia Militar e Polícia Rodoviária Federal, jamais irão ir às ruas para manter vocês em casa”, afirmou. “O nosso exército são vocês. Mais importante que o poder executivo, judiciário e legislativo, é o poder do povo brasileiro”, disse.

Bolsonaro também disse que o governo federal está pronto para tomar iniciativa caso essa liberdade defendida não seja garantida. “Nós estamos prontos, se preciso for, a tomar todas as medidas necessárias para garantir a liberdade de vocês. É inadmissível quando um poder usurpa direitos e garantias individuais”, explicou.Sem mencionar as vacinas ou novidades no cronograma de chegada de novas doses, o presidente.

Além disso, Bolsonaro, contrariando mais uma vez os cientistas, disse acreditar que o Brasil está perto de terminar a luta contra a covid-19. “Estamos no final de uma pandemia, se Deus quiser. Espero que nós venhamos brevemente partir para uma normalidade”, declarou