Comunidade brasileira de criptomoedas arrecada R$ 280 mil para criança fazer tratamento na Rússia

128

“Estamos nos preparando para a viagem”, disse o jornalista especializado em criptomoedas Cássio Gusson, após o fim da campanha “Jojo vai para Rússia”, que arrecadou R$ 280 mil para o tratamento com células-tronco de sua filha Joana, de cinco anos. Jojo, como é chamada entre familiares e amigos, nasceu com uma mutação genética no gene MEF2C, que causa epilepsia de difícil controle e autismo.

Ao Portal do Bitcoin, Gusson contou sobre os próximos passos dessa longa jornada que deve durar pelo menos mais 6 meses. Segundo ele, o voo estava marcado para a próxima quarta-feira, mas houve uma mudança no protocolo anti-Covid na Holanda, onde eles iriam trocar de avião. “Mudou o voo para sexta-feira agora com escala em Paris”, disse ele, explicando que a mudança ocorreu de última hora.

“A gente vai encontrar com o médico em Moscou para fazer alguns exames — a Joana já fez alguns exames nesta semana, uma bateria de 15 exames — e daí ele vai encaminhar ela para o tratamento, que vai ser uma infusão de sangue. Tem o período pré e o período pós para quem recebe essa bolsa de sangue. No Brasil, já temos agendado a terapia TheraSuit que eles indicam após a infusão porque depois do tratamento o cérebro tem uma carga grande de estímulo neurossensorial”, explicou o jornalista.

As infusões de células-tronco estão previstas uma em junho, outra em novembro, que é o tratamento completo para Jojo, e serão feitas no Samara Regional Medical Center Dinasty, instituição referência no país para o tipo de tratamento. Após a primeira etapa, a família volta ao Brasil para outra sequência de tratamento indicada para quem recebe a infusão de células-tronco e depois vem a segunda etapa, que é o retorno para a Rússia em novembro para a segunda aplicação.

Fonte: Portal Bitcoin