Sob panelaço, Bolsonaro faz prestação de contas em pronunciamento na TV

208

Em pronunciamento em rede nacional de rádio e televisão nesta quarta-feira, o presidente Jair Bolsonaro destacou os números da retomada da economia divulgados nos últimos dias para apresentar um retrato positivo do seu governo. O discurso, de cerca de cinco minutos, foi recebido em diversas cidades do país com um panelaço e críticas ao presidente.

No seu discurso, Bolsonaro fez uma prestação de contas de seu governo, abordando temas de diferentes áreas, da vacinação à Copa América. O pronunciamento ocorre em meio a um momento em que seu governo é atingido pelos níveis mais altos de rejeição, de acordo com pesquisas de opinião.

Durante o pronunciamento, foram registrados panelaços em várias cidades brasileiras. A manifestação, realizada nas janelas, ocorreu no Rio de Janeiro, Niterói, Vila Velha, Campinas, São Paulo, Brasília, Salvador, João Pessoa, entre diversas outras. Nas redes sociais, internautas compartilharam sua indignação por meio da hashtag #panelaço, que rapidamente alcançou o topo dos assuntos do momento no Twitter, ultrapassando 30 mil menções em apenas 15 minutos.

Em seu pronunciamento, Bolsonaro destacou os números econômicos divulgados esta semana e afirmou que a previsão é de que o PIB irá crescer ao menos 4% neste ano, recuperando o nível pré-pandemia. O presidente também citou os números de criação de emprego e leis aprovadas no Congresso, como a nova Lei do Gás, o Marco Legal do Saneamento e a autonomia do Banco central.

— Terminamos 2020 com mais empregos formais que 2019. Somente nos primeiros quatro meses deste ano, o Brasil criou mais de 900 mil novos empregos. O PIB projetado para 2021 prevê um crescimento da economia superior a 4%. Só no 1º trimestre deste ano, a economia mostrou seu vigor, estando entre os países do mundo que mais cresceram — afirmou.

Segundo especialistas, entretanto, boa parte do crescimento é explicado por fatores internacionais, como o novo ciclo de alta de commodities, especialmente entre setores exportadores. Outro ponto relevante levantado por analistas foi que, apesar do crescimento do PIB, os números ainda não foram refletidos no bem-estar da população, que vem sofrendo com a inflação de alimentos.

— Ontem, a Bolsa de Valores bateu recorde histórico, a moeda brasileira se fortalece, e estamos avançando no difícil processo de privatizações — afirmou o presidente no discurso.

Bolsonaro convocou o pronunciamento em rede nacional de rádio e televisão em meio às investigações sobre a atuação do governo federal em relação ao novo coronavírus na CPI da Covid no Senado Federal. No último sábado, o presidente foi alvo de protestos em todo o país. No discurso, o presidente afirmou que todos os brasileiros que desejarem se vacinar este ano poderão receber o imunizante.

— O Brasil é o quarto país que mais vacina no planeta. Neste ano, todos os brasileiros, que assim o desejarem, serão vacinados. Vacinas essas que foram aprovadas pela Anvisa — disse.

Apesar de ter destacado a atuação do governo federal durante a pandemia, Bolsonaro destacou que o governo não adotou medidas restritivas como governadores e prefeitos fizeram.

O presidente voltou a repetir que joga “dentro das quatro linhas da Constituição”. Bolsonaro costuma usar a expressão para criticar o lockdown e outras políticas contra o coronavírus.

— O nosso governo não obrigou ninguém a ficar em casa, não fechou o comércio, não fechou igrejas ou escolas e não tirou o sustento de milhões de trabalhadores informais. Sempre disse que tínhamos dois problemas pela frente, o vírus e o desemprego, que deveriam ser tratados com a mesma responsabilidade e de forma simultânea —afirmou.

O presidente fez um discurso de cinco minutos e abordou, sobretudo, a aquisição de vacinas, um dos pontos centrais apurados pelos senadores. A comissão investiga os motivos para o Brasil ter demorado meses para responder a uma oferta de doses da farmacêutica Pfizer.

O texto do pronunciamento foi preparado com a ajuda do ministro das Comunicações, Fábio Faria, e do Secretário de Comunicação, André Costa. Em março deste ano, quando os casos e óbitos por Covid-19 aumentaram de forma exponencial, o presidente moderou seu discurso e defendeu o desempenho do governo durante a pandemia. Na ocasião, Bolsonaro afirmou que 2021 seria o “ano da vacinação”.

Bolsonaro ainda confirmou a realização da Copa América no Brasil, conforme negociado com a Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) e a Confederação Brasileira de Futebol (CBF). De acordo com o presidente, serão seguidos os mesmos protoclos da Copa Libertadores e das Eliminatórias para a Copa do Mundo.

Fonte: Extra