Brasil perde da Noruega na estreia do handebol masculino nas Olimpíadas

Seleção brasileira começa melhor, vira o primeiro tempo na frente, mas sucumbe na etapa seguinte contra time vice-campeão mundial de 2019

102

Brasil e Noruega abriram, na noite desta sexta-feira (manhã de sábado no Japão), a programação do handebol masculino nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, e o dia não foi bom para os brasileiros. O ginásio vazio fazia ecoar os gritos dos jogadores. O silêncio no estádio nacional de Yoyogi, em Tóquio, fazia com que técnicos não precisassem gritar do banco para que os jogadores o entendessem. Os recados eram bem entendidos. E quem os entendeu melhor ao fim do jogo foram os noruegueses, que bateram o Brasil por 27 a 24, pela primeira rodada do grupo A.

– Não tem jogo fácil. A gente vai brigar igual hoje. A gente fez um bom jogo, brigou, e agora é concentrar para os próximos jogos. Esse aqui já foi, já passou. É esquecer, pegar as coisas positivas, melhor as coisas que falhamos, tentar sair com vitória e se classificar, que é o nosso principal objetivo – comentou o pivô Rogério Moraes.

A Noruega tem muita tradição no handebol feminino, mas no masculino não participa de uma edição das Olimpíadas desde 1972. A geração atual, porém, é tida como a melhor da história do país, com prata nos dois últimos Campeonatos Mundiais.

O Brasil volta a jogar na noite de domingo (manhã de segunda-feira em Tóquio), às 21h (horário de Brasília), contra a França, o maior desafio da seleção na fase de grupos. Os franceses são donos de seis títulos mundiais e estiveram nas últimas três finais olímpicas (ouro em Pequim 2008 e Londres 2012; prata na Rio 2016).

A fase de classificação é longa. Dois grupos de seis, com os quatro primeiros avançando de fase. Além de Brasil e Noruega, o grupo A conta com França, Alemanha, Espanha e Argentina. É um lado considerado mais forte do que o grupo B, que tem Bahrein, Japão, Portugal, Dinamarca, Suécia e Egito.

O JOGO

O começo foi nervoso. Cinco minutos sem nenhuma equipe marcar gol, com as duas defesas fortes e os ataques errando bastante. Na sequência, o Brasil teve cinco minutos quase perfeitos. Com gols de contra-ataques e utilizando muito bem o pivô Teixeira, a seleção abriu 5 a 1. Até os 15 minutos, o Brasil manteve uma boa vantagem, 6 a 2, quando a Noruega começou a melhorar o ataque. O Brasil teve um contra-ataque para abrir 11 a 7, mas Guilherme jogou a bola no travessão e, na sequência a Noruega diminuiu o placar, mas não conseguiu igualar. Fim do primeiro tempo, 13 a 12.

Os primeiros minutos do segundo tempo foram todos da Noruega, que conseguiu passar à frente. Aí, o segundo tempo foi um pouco mais morno. A Noruega tentando cozinhar um pouco e o Brasil errando gols fáceis, como em sete metros e cara a cara com goleiro pelo centro. Após a metade da parcial, já estava 22 x 17. Apesar das tentativas nos minutos finais, com algumas mudanças de estratégia, a seleção não conseguiu encostar novamente.