A escola de samba São Clemente, do Grupo Especial, divulgou a sinopse de seu enredo no final da noite desta quinta-feira (29). No carnaval de 2022, a agremiação vai defender o enredo “Minha vida é uma peça!“, em homenagem ao humorista Paulo Gustavo, morto em maio deste ano, vítima de Covid. A escola foi a última do grupo a divulgar a história que levará para a Sapucaí.

A sinopse, ao contrário das demais escolas do grupo, é assinada pela Família Clementiana e pelo Povo Brasileiro Fã de Paulo Gustavo, e não apenas pelo carnavalesco Tiago Martins ou pesquisadores.

Base para os compositores elaborarem os sambas, ela é dividida em cinco partes para contar a trajetória do ator: O céu de PG, Hermínia Amaral, Flecha do cupido, Bondedazamiga e “D” de Diva Déa, Dulce, Diversidade.

A São comente vai começar o desfile falando da personalidade do ator, alegre, irreverente, talentoso e carismático.

Na sequência, lembra sua personagem mais marcante, a dona Hermínia, do filme e da peça “Minha mãe é uma peça”.

A escola também vai falar sobre a relação de amor e família com o médico Thales Bretas e dois filhos de 2 anos. Seu perfil de amigo fiel e companheiro ganha destaque no setor “Bondedazamigas“. E termina com um homenagem à mãe Déa Lúcia , inspiradora da personagem Hermínia, que levou o filho ao estrelato.

No texto, o enredo é definido como “uma fantasia clementiana para uma unanimidade nacional onde sobre talento bem humorado, vida fora da curva e muita solidariedade humana”.

Mudança de enredo

A São Clemente pretendia levar para a Passarela do Samba, em 2022, o enredo Ubuntu, de temática afro, mas decidiu mudá-lo após a morte do humorista. A sugestão foi do comentarista de carnaval Milton Cunha.

Quando da mudança do enredo, o presidente da São Clemente, Renato Almeida Gomes, declarou que Paulo Gustavo — que foi destaque das escola no carnaval de 2013, quando desfilou fantasiado de dona Hermínia — tinha alma clementiana.

Ele declarou na ocasião:

“O Milton me ligou falando sobre a obra e a vida do Paulo Gustavo. A história me emocionou e tocou meu coração. O Paulo era uma figura sensacional. Ele era alegre, irreverente e crítico. Um cara que sempre colocou a família em primeiro lugar. Em 2013, quando falamos sobre novelas, ele esteve conosco na avenida. Tenho certeza que faremos uma linda homenagem, podem ter certeza”, disse Renato Gomes.

Perfil

Paulo Gustavo Amaral Monteiro de Barros nasceu em Niterói em 30 de outubro de 1978 e estudou teatro na Casa das Artes de Laranjeiras, no Rio, na mesma turma de Fábio Porchat.

A primeira peça da qual participou foi “O surto”, em que dividia a direção com Fernando Caruso, em 2004. Foi no espetáculo que apresentou pela primeira vez a personagem Dona Hermínia, que marcaria sua carreira para sempre (veja personagens marcantes de Paulo Gustavo.

A mãe superprotetora e hilária ganhou peça própria em 2006 e chegou ao cinema sete anos depois.

Somados, os três filmes de “Minha mãe é uma peça” venderam mais de 26 milhões de ingressos entre 2013 e 2020.

O terceiro filme teve a maior arrecadação da história do cinema brasileiro, com R$ 182 milhões de bilheteria.

Além do sucesso de Dona Hermínia, o ator se destacou pelos filmes “Minha vida em Marte” (2018) e “Os homens são de Marte… e é para lá que eu vou” (2014), nos quais contracenou com a atriz e amiga Mônica Martelli. Ele interpretou o personagem Aníbal em ambas as comédias.

Carreira na TV

Na TV, Paulo apresentou em 2011 o programa “220 Volts”, do Multishow. Dois anos depois, no mesmo canal, ele passou integrar o elenco da sitcom “Vai que cola”, vivendo o malandro Valdomiro Lacerda. O personagem foi um sucesso também na adaptação para o cinema, em 2015.

Ainda no Multishow, o ator protagonizou, ao lado de Katiuscia Canoro, a série “A vila”. Na produção, ele interpretou o ex-palhaço Rique.

Ele também foi o apresentador de várias edições do Prêmio Multishow.