Equipe médica da UPA de Rio das Ostras trata mal pacientes; som alto e baderna na unidade de saúde

199

O marido de uma paciente que está internada na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Rio das Ostras procurou a nossa equipe de jornalismos, nesta sexta-feira (27), para fazer uma grave denúncia. A equipe médica da unidade de saúde trata mal os pacientes e age com descaso.

De acordo com o marido da paciente que preferiu não se identificar, ninguém merece ser maltratado por maus profissionais da saúde, entretanto precisou encaminhar a mulher para ser tratada em outra cidade. “Uma falta de respeito das Enfermeiras que ficavam gritando e colocando música na sala de medicamento. O médico que atendeu queria dar alta pra ela e eu não deixei, mas quando estava em observação na enfermaria, estava se estressando muito, o que acabou agravando o quadro dela. Discuti com as enfermeiras e os pais dela vieram e levaram pro pronto socorro de Petrópolis onde eles já trabalharam na área de saúde e ficaria mais fácil pra arrumar os exames. Descobriram uma alteração grave no exame de urina e está agora esperando uma vaga para a CTI”, indignado contou.

Ainda de acordo com ele, o descaso do atendimento da equipe médica persistiu.” Questionei o médico pedindo agilidade nos exames de sangue e urina e ele disse: “isso aqui é UPA, é público, você estava esperando o que”. Insisti para ela ficar internada pois o médico havia dito que ela teria que fazer um exame de Doppler e que o responsável estaria lá no dia seguinte. No final, quando descobri que não havia nem travesseiro e nem cobertor na unidade e estava muito frio e isso também poderia agravar o quadro de saúde. Resolvi levar ela pra casa e voltar no horário que o responsável pelo exame estaria. Chegando lá, fomos informados que ele só vai no hospital uma vez por semana e que no dia anterior ele não tinha ido e talvez tivesse que ficar internada até a próxima terça pra ver se o responsável iria. Mas teria que contar com a sorte”, inconformado contou.

Ela explicou que ela fez exames de sangue e urina na UPA de Rio das Ostras e foi comprovado que estava tudo normal.” Chegando em Petrópolis, fizeram os mesmos exames e constataram que ela teria que fazer hemodiálise com urgência porque os rins estão quase parando.

Ele, ainda, questiona o atendimento ofertado pelo Sistema único de saúde da cidade. “A gente leva uma pessoa pra UPA e sai os dois passando mal. Uma falta de respeito com o ser humano. Eu voltei pra Rio das ostras porque tenho que ficar Aqui pra cuidar dos nossos animais e estou me sentindo impotente por não estar lá com ela”, desesperado contou.

Procurado, o Governo do Estado do Rio de Janeiro não deu retorno.