MPRJ cumpre três mandados de busca e apreensão contra o ex-secretário da Seap

Raphael Montenegro Hirschfeld, ao lado de outros dois funcionários, do órgão são investigados por recebimento de vantagens ilícitas em troca da soltura de lideranças do tráfico

129

Rio – O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) iniciou, nesta quinta-feira (21), uma operação para o cumprimento de três mandados de busca e apreensão contra o ex-secretário da Seap Raphael Montenegro Hirschfeld, e outros dois integrantes da antiga administração penitenciária estadual.

A ação faz parte de uma operação coordenada pelo Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (GAECO/RJ), com o apoio da Coordenadoria de Segurança e Inteligência (CSI/MPRJ). Os mandados desta quinta-feira serão cumpridos na sede administrativa da Seap, no Centro, na sede administrativa do Complexo de Gericinó e no Instituto Penal Vicente Piragibe.

Montenegro foi preso pela Polícia Federal, no dia 17 de agosto, e exonerado no mesmo dia e solto no dia 22, cinco dias depois. A prisão fez parte da Operação Simonia, que investigava a relação do secretário com lideranças do tráfico. A chefia da Seap foi assumida pelo delegado Fernando Veloso, no dia 20 de agosto.

De acordo com o MPRJ, os elementos colhidos durante a operação farão parte do processo que apura se o ex-secretário recebeu vantagem ilícita para autorizar a soltura, do Complexo Penitenciário de Gericinó, do traficante Wilton Carlos Rabelo Quintanilha, conhecido como “Abelha”, no último mês de julho. Ele é apontado como uma das lideranças do Comando Vermelho. Os mandados foram expedidos pela 42ª Vara Criminal da Capital.

À época em que foi liberto, no último dia 27 de julho, “Abelha” tinha em seu nome um mandado de prisão preventiva expedido pelo 3º Tribunal do Júri da Capital. E o conteúdo desse pedido havia sido comunicado à Seap 12 dias antes da soltura. Além disso, ainda constava no sistema de Distribuição e Controle de Processos do Tribunal de Justiça desde o dia 14 de julho.

Um vídeo, que mostra a saída de Abelha com Complexo Penitenciário de Gericinó, também é trazido como prova pela investigação, uma vez que seria o próprio Raphael cumprimentando o preso, então liberto. O MPRJ também informa que colheu provas de que um dia após a soltura, o ex-secretário da Seap também teria ido visitar o traficante no morro da Mangueira. O então subsecretário de Gestão Operacional da Seap, Wellington Nunes da Silva, e o então superintendente da Secretaria, Sandro Farias Gimenes, também estiveram na visita.

Informações colhidas durante as investigações também indicaram que os três ex-dirigentes habitualmente visitavam “Abelha” no Instituto Penal Vicente Piragibe, onde permaneciam em horários após o expediente.

Tendo uma das visitas sido feita na véspera da saída do traficante de Bangu, quando inclusive foi permitida a entrada de itens proibidos usados em uma comemoração, entre eles bolo, refrigerante e salgadinhos.Em nota, a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) informou que está colaborando com as investigações do Ministério Público, fornecendo todas as informações solicitadas.