Faetec de Bacaxá está desenvolvendo um trabalho sobre os peixes dos costões rochosos nas praias de Arraial do Cabo: Praia Grande e Praia do Pontal

157

O estudo está sendo realizado por uma aluna de 17 anos, que é bolsista do programa Jovens Talentos, da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (FAPERJ), Luana Pezarino, com supervisão do professor Amilcar Brum. O projeto foi batizado com o nome de “Variação sazonal da riqueza das comunidades de peixes dos costões rochosos da Praia Grande e da Praia do Pontal, em Arraial do Cabo” e consiste em verificar a diversidade de espécies entre as áreas e sua variação ao longo do ano.

“Com o levantamento das espécies de peixes que ocorrem nos costões rochosos, alertamos para a conservação destes ambientes, que possuem uma alta diversidade, e inclui, além dos peixes, outros animais e algas. A pesquisa tem o objetivo de ajudar a preservar as duas áreas, que possuem diversidade de espécies, variando varia conforme diferentes épocas do ano, e não deixá-las entrar em extinção”, explica a aluna Luana Pezarino.

Luana contou que a ideia do projeto surgiu após uma visita na Feira Técnica da Faetec.

“Aos 13 anos tive a minha primeira experiência com mergulho e me apaixonei pela área. Em 2018, fui à Feira Técnica da Faetec e conheci o projeto com peixes do costão rochoso, que na época era realizado pela aluna Leila Beatriz, orientada pelo professor Amilcar Brum. Quando entrei na Faetec, em 2019, conheci o professor Amilcar que propôs a realização do trabalho na Praia Grande e depois incluímos também a Praia do Pontal, ambas em Arraial do Cabo”, disse Luana.

Para o professor Amilcar Brum, as duas regiões são de grande valor para a diversidade de espécies marinhas.

“Os ambientes dos costões rochosos são importantes, pois funcionam como locais de abrigo, alimentação e reprodução de muitas espécies do ambiente marinho, o que reforça mais uma vez a relevância em cuidar deste tipo de ecossistema. Por isso, a importância de olharmos para os costões rochosos” salienta Amilcar Brum.

O método utilizado na pesquisa é o mergulho com snorkel (máscara e respirador). É realizado o senso visual das espécies, anotando o que ocorre em um tubo de PVC, e se possível fotografando os peixes com máquina digital em caixa estanque. Posterior ao mergulho, as espécies são registradas em uma planilha para análise dos dados.

A importância da pesquisa científica na formação básica

O Programa Jovens Talentos da FAPERJ é de uma valorosa importância para o início da formação dos estudantes do Ensino Médio integrado ao Técnico, pois oferece a oportunidade para que tenham, desde jovens, uma experiência de como é o desenvolvimento de projetos científicos dentro de cada área do conhecimento humano.

“Além disso, o aluno que termina o Ensino Médio com esta experiência já tem certa bagagem do que consiste um trabalho científico. Isso contribui muito para o engajamento e adaptação ao meio acadêmico e para atuação nos laboratórios de pesquisas das Universidades”, avalia o professor Amilcar.

“Por conta da pesquisa, eu e Luana participamos juntos on-line de vários simpósios e minicursos relacionados com ecologia dos ambientes costeiros, peixes recifais e os corais”, afirma o orientador da pesquisa.

Luana também falou da importância da bolsa da Faperj e da Faetec em sua vida.

“Além de compartilhar experiências com o meu orientador Amilcar Brum, a bolsa da Faperj me proporcionou a participação em um projeto muito importante para a minha futura carreira profissional, pois pretendo ser oceanógrafa ou bióloga marinha”, adianta a estudante.

“Em 2020 e 2021, fiz cursos sobre costões rochosos, peixes recifais e recifes de corais, o que me trouxe muitas informações importantes para a compreensão do ecossistema estudado durante o meu projeto. O programa Jovens Talentos desperta vocações e incentiva pesquisas científicas, além da Faetec já ser uma excelente opção de profissionalização técnica”, completa Luana Pezarino.