Prefeito de Três Rios Joa cancela festas de Réveillon e Carnaval para evitar aglomerações

133

A prefeitura de Três Rios (RJ) anunciou nesta sexta-feira (3) o cancelamento das festividades oficiais de réveillon, carnaval e o aniversário da cidade.

Mesmo com 91% da população acima dos 12 anos já estando vacinada com a 2ª dose, a decisão foi tomada para evitar uma maior disseminação do vírus.

“Não podemos colocar nossa população em risco, estamos mantendo todos os protocolos de segurança sanitária e realizando o reforço da 3ª dose da vacina”, disse a secretária de saúde, Izabel Mendonça.

Este vai ser o segundo ano consecutivo que o Carnaval não é realizado por conta da pandemia de Covid-19.

Segundo o prefeito de Três Rios, Joa, as medidas foram tomadas pensando na proteção dos moradores.

“Minha vida toda tem uma ligação histórica com o samba e com o Carnaval de Três Rios. Gosto e faço questão de desfilar em todas as escolas de samba, mas também tenho a preocupação com a vida. Ainda estamos em uma pandemia e decidimos pelo cancelamento de todos os grandes eventos como Aniversário da Cidade, Reveillon e Carnaval. Infelizmente, perdemos 294 cidadãos trirrienses entre 2020 e 2021. O número só não foi maior porque aceleramos a vacinação e ampliamos a testagem em massa da população com o teste Swab AG, que apresenta o resultado positivo ou negativo em menos de 20 minutos.  Fomos a cidade pioneira na região nesse tipo de testagem rápida”, finalizou o Prefeito Joa. 

A variante Ômicron 

Até a manhã desta sexta-feira (03), 36 países tinham reportado casos da nova variante do Coronavírus, a Ômicron. A Cepa foi relatada pela primeira vez em novembro, na África do Sul. 

A variante Ômicron ainda está sendo estudada pelos laboratórios. Embora não haja, até o momento, registro de mortes causadas pela nova cepa, ela provoca preocupação em autoridades ao redor do mundo por apresentar um número maior de mutações — o que pode torná-la mais transmissível do que as variantes anteriores. 

No Brasil, cinco casos da nova variante foram detectados: três em São Paulo e dois em Brasília. Além disso, outros são investigados, nos Estados do Rio de Janeiro e em Minas Gerais.