Search
Close this search box.
Search
Close this search box.
Cremerj abre procedimento para suspensão imediata de anestesista preso por estupro no Hospital da Mulher

Cremerj abre procedimento para suspensão imediata de anestesista preso por estupro no Hospital da Mulher

Por Rlagos Notícias

11 de julho de 2022

Compartilhar no WhatsApp
O anestesista Giovanni Quintella Bezerra é conduzido por policial na Delegacia da Mulher de Meriti Fabiano Rocha Foto: Fabiano Rocha / Agência O Globo

Rio- O Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro (Cremerj) abriu um procedimento cautelar para suspensão imediata do médico anestesista Giovanni Quintella, preso nesta segunda-feira (11) acusado de estuprar uma gestante durante uma cesariana no Hospital da Mulher Heloneida Studart, em São João Meriti, município na Baixada.

O Conselho alega que a decisão ocorreu devido à gravidade do caso. Em nota, a direção da entidade informou que também foi instaurado processo ético-profissional que poderá resultar na cassação do médico.

Giovanni foi preso após uma equipe de enfermagem da unidade gravar um vídeo do médico introduzindo o pênis na boca da paciente, que estava anestesiada durante a realização do parto.

O RLAGOS teve acesso às imagens chocantes do caso que mostram o momento da cirurgia, em que um pano impede que outros profissionais vejam o anestesista manuseando a cabeça da vítima para frente e para trás após introduzir o pênis na boca da gestante. Em certos momentos ele olha ao redor para verificar que ninguém está olhando e continua o ato, até finalizar e limpar a paciente com um pano para esconder os vestígios do crime. Depois ele joga os papeis no lixo e age naturalmente.

A ação durou cerca de 10 minutos. O vídeo serviu como prova e foi encaminhado à Delegacia de Atendimento à Mulher (Deam) de São João de Meriti. O médico, que foi preso em flagrante por estupro de vulnerável, foi transferido para presídio de Benfica, na Zona Norte, onde passará por uma audiência de custódia. A pena para esse crime varia entre 8 a 15 anos de reclusão.

A defesa de Giovanni alega que ainda não obteve acesso na íntegra aos depoimentos e elementos de provas que foram produzidos durante a lavratura do auto de prisão em flagrante. A defesa informa também que após ter acesso a sua integralidade, se manifestará sobre a acusação.

Compartilhar no WhatsApp

Por Rlagos Notícias

11 de julho de 2022

Search
Close this search box.

Faça parte do maior grupo exclusivo de noticias da região!

Nosso grupo te da acesso exclusivo as noticias mais quentes e recentes do momento sobre tudo que buscar!