Search
Close this search box.
Search
Close this search box.
Colunista Lorena Serpa | Mudanças– Parte 1

Colunista Lorena Serpa | Mudanças– Parte 1

Por Rlagos Notícias

17 de março de 2021

Compartilhar no WhatsApp

Quantas vezes você já sentiu a necessidade ou aquele sentimento do qual você deveria mudar? Mudar as atitudes, a forma de pensar, sua visão de mundo e por aí vai….

É bem certo que a grande maioria irá dizer que já pensou ou já sentiu essa necessidade. No entanto, 95% das pessoas não conseguem realizar essa mudança e aí a gente se pergunta do porquê?

Quantas pessoas você conhece que prometeram mudar por diversos motivos até mesmo dentro de relações desconexas, violentas, tóxicas, inflamadas e etc, mas nunca conseguiram seguir 2% do que prometeram?

A primeira coisa que quero começar pensando com você é a respeito do conhecimento que temos sobre nós.

Você sabe quem é você? Ou você se “conhece” a partir daquilo que as pessoas ao longo de sua vida disseram que você é? Essa pergunta diz respeito ao Auto Conhecimento, um dos vilões para que aconteça a mudança em nossa vida.

Nós não fomos ensinados a nos auto conhecermos e isso está enraizado desde o início da civilização. Não entendemos nossos sentimentos, emoções e reações e o porquê de fazermos certas coisas.

Pense comigo: “qualquer pessoa que passe por um problema seja da área que for, o primeiro passo para a mudança é o reconhecimento de sua necessidade e esse reconhecimento passa pelo Auto Conhecimento.”

Observe esse exemplo:

  1. Uma criança faz pirraça e chora “freneticamente” dentro do supermercado. A atitude de seus pais é brigar com a criança e ameaça-la caso ela não cesse o choro. Com medo, a criança imediatamente se cala.
  2. Uma criança faz pirraça e chora “freneticamente” dentro do supermercado. A atitude de seus pais é entregar para ela doces, brinquedos, qualquer coisa que a faça parar de chorar.
  3. Uma criança faz pirraça e chora “freneticamente” dentro do supermercado. A atitude de seus pais é de se abaixar no mesmo nível da criança, olhar em seus olhos e perguntar o motivo do choro, de sua dor e assim iniciar um diálogo onde ensine que esse sentimento se chama frustação e ao longo da vida ele estará presente em diversos momentos.

Qual desses 3 exemplos de pais mais representar nossa sociedade? Vamos pensar sobre eles!

O primeiro, representa a pessoa que esconde seus sentimentos, emoções, desejos por medo de ser envergonhado, de se machucar, porque sua dor para o outro é motivo de represaria. Essa criança, crescerá guardando para si mesma todas as suas frustrações e não saberá externalizar isso;

O segundo, representa a facilidade em se conseguir o que se quer a partir de um melodrama. Essa criança crescerá manipulando tudo ao seu redor, onde basta um pequeno “número teatral” que facilmente ela conseguirá o que deseja.

O terceiro, representa o entendimento dos sentimentos, a identificação e os primeiros ensinamentos sobre o autoconhecimento. Esses pais não apenas criaram um diálogo com a criança, mas estavam a ensinando a entender suas emoções e reações.

Eu tenho plena certeza que cada leitor irá se identificar em uma dessas cenas de supermercado e essa identificação irá dizer muito a respeito de nós.

Agora observe essas outras situações, onde muitas pessoas associam o fato delas terem vivenciado determinadas situações, acharem que entendem sobre determinados assuntos. Mas isso não é autoconhecimento!

Pense: “o médico diz que você pode ter um ataque no miocárdio, aí a pessoa diz assim: e você já teve um ataque no miocárdio para saber como é?”

“Mas você tem filho para saber como é? Não é porque você é pai ou mãe que você entende de psicologia da educação e do desenvolvimento.”

“Não é porque você come todo dia que entende de nutrição.”

 “Não é porque você se relaciona que você entende de relacionamentos.”

Perceba o quanto nosso conhecimento a cerca daquilo que dizemos conhecer é totalmente superficial e escuso!

O conhecimento (a essência) nos permite identificar e buscar aquilo que faz a nossa vida florescer verdadeiramente, como um belo jardim que é cuidado com carinho e com dedicação.

O Auto Conhecimento das pessoas de um modo geral é uma colcha de retalhos de anedotas (piadas, breve história) e informações desestruturadas e muitas vezes contraditórias. Um conjunto de informações muito frágil.

Flávio Passos usa uma alegoria para descrever essa colcha: “essa colcha de retalhos que as pessoas chamam de “conhecimento”, é na verdade uma “CASA DE PALHA” de informações soltas e desconexas, contraditórias e as vezes simplesmente erradas. É como a casa de palha de 1 dos 3 porquinhos narrada no conto, bastando um sopro de racionalidade e aquilo tudo se desmonta.”

Até aqui podemos ter uma certeza: nós não conhecemos a nós mesmos e o primeiro passo para a mudança é o auto conhecimento, ou seja, reconhecer quem você é em detalhes, observações, evidências, fatos e realidades, para a construção de um caminho de mudanças e transformações.

Na próxima semana falaremos sobre o segundo grande vilão para a mudança, não perca!

Deixo aqui uma tarefa para você fazer durante essa semana: “quem é você em detalhes?”

Lorena Serpa

Pedagoga

Especialista em MBA Gestão Empresarial

Estudante de Psicopedagogia Clínica

CEO da Palô Expandindo Potencialidades

Compartilhar no WhatsApp

Por Rlagos Notícias

17 de março de 2021

Search
Close this search box.

Faça parte do maior grupo exclusivo de noticias da região!

Nosso grupo te da acesso exclusivo as noticias mais quentes e recentes do momento sobre tudo que buscar!