Chefe do tráfico de drogas da Favela do Lixo é procurado pela polícia “Vulgo Mãozinha”, saiu na saidinha de natal para Cabo Frio e não retornou ao presídio; Ele foi condenado a 57 anos

1528

Dois dos 522 detentos que deixaram cadeias do Rio de Janeiro no “saidão de Natal” foram recapturados na tarde desta quarta-feira (5).

Alife Santos Silva Christian Freire Gomes foram presos (de novo) em Campo Grande, Zona Oeste do Rio, pela Divisão de Busca e Recaptura da Secretaria de Administração Penitenciária.

Ambos não voltaram ao Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, também na Zona Oeste, depois de receberem o benefício da “visita periódica à família”, o chamado “saidão de Natal”.

Em busca de pistas sobre os outros fugitivos, o Disque-Denúncia também divulgou cartazes com fotos de cinco presos considerados de “alta periculosidade” (veja mais abaixo).

Na página do Portal dos Procurados do Disque-Denúncia, a Seap terá um espaço exclusivo para os foragidos no “saidão de Natal” do ano passado. Informações que levem à prisão dos criminosos podem ser repassadas ao telefone 2253-1177.

Os dois presos recapturados nesta quarta foram levados para a 35ª DP, em Campo Grande, e depois encaminhados ao sistema penitenciário. Como não voltaram após o saidão, eles podem perder benefícios que conquistaram durante o tempo em que estão presos.

Alife havia sido preso em 2014, após um roubo em São Gonçalo. Na ocasião, ele estava com um revólver falso. E Christian foi detido em outubro de 2020 em Santíssimo, após um assalto. Com ele foi encontrado um revólver calibre 32.

Procurados

Entre os presos que tiveram cartazes divulgados pelo Disque-Denúncia está Charles Miranda Ramos, chefe do tráfico de drogas no Morro dos Marítimos, em Niterói, Região Metropolitana do Rio.

Não é a primeira vez que o criminoso foge do sistema penitenciário. Filho do traficante Altair Domingos Ramos, o Nai da Mineira, Naizinho recebeu, em outubro de 2013, o direito de ir para o semiaberto, indo cumprir pena no Instituto Penal Edgard Costa.

Mas, no dia 19, oito após receber o benefício da Justiça, não mais retornou a sua unidade prisional. Recapturado apenas em 2019, ele já tinha sete mandados de prisão em aberto pelos crimes de homicídio, tráfico de drogas e roubo.

Outro criminoso, Igor de Assis Bernardo, é apontado como o autor de um plano, em 2016, de ataque à sede da Delegacia de Homicídios de Niterói, Itaboraí e São Gonçalo (DHNISG), em Niterói.

Isso ocorreu durante uma manifestação contra o desaparecimento de um traficante após confronto com PMs do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope).

Quem são os cinco considerados de “alta periculosidade”:

1 – Edigar de Morais, o Edgarzinho, de 40 anos, chefia o tráfico de drogas no Morro do Jovem, em Miracema, Noroeste Fluminense. Possui várias passagens pelo Sistema Prisional entre os anos de 2005 e 2021.

2 – Charles Miranda Ramos, o Magro de 32 anos, é ligado a facção Comando Vermelho e chefia o tráfico de drogas no Morro dos Marítimos, em Niterói, Zona Metropolitana do Rio de Janeiro. Ele é filho do traficante Altair Domingos Ramos, o Nai da Mineira.

3 – Igor de Assis Bernardo, o Pretinho, de 26 anos, ligado ao trafico de drogas da facção CV, ele é integrante da quadrilha do traficante Antônio Hilário Ferreira, o Rabicó, chefe do trafico do Complexo do Salgueiro. Ele é um dos principais acusados de assassinar o agente penitenciário Paulo Fernando de Oliveira Lima, durante um assalto em dezembro de 2015, no Boaçu São Gonçalo.

4 – Vanderson Vieira Travassos, o Chacrinha ou Frango ou Negão, de 44 anos. Chefia o tráfico de drogas na Favela da Mangueirinha, em Caxias. Em 2012, em Uma guerra entre traficantes de duas facções, no Morro da Serrinha, na Zona Norte, Vanderson, liderou um grupo de traficantes, das favelas Nova Holanda, Pavão Pavãozinho, Complexo do Lins e Beira Rio para iniciar a invasão no Complexo da Serrinha, comandada até hoje pelo traficante Lacoste.

5 – Cleiton da Silva, Mãozinha, de 30 anos, é apontado como chefe do tráfico da Favela do Lixo, no bairro Manoel Corrêa, em Cabo Frio. Ele pertence a quadrilha do traficante Carlos Eduardo Rocha Freire Barbosa, o Kadu Playboy, e foi condenando a 57 anos de prisão.