Motorista da UBER do Rio, que foi preso pela PRF em Juiz de Fora é inocentado, após ficar 11 meses preso acusado por trafico de drogas.

José Adriano de Souza Lima, de 45 anos, foi detido após a polícia encontrar drogas nos pertences de uma passageira que ele transportava do Rio de Janeiro para Minas Gerais. O g1 entrou em contato com os citados.

122

Rio – Acusado de tráfico de drogas, o ex-motorista de aplicativo José Adriano de Souza Lima, de 45 anos, que ficou preso por 11 meses em Juiz de Fora, Minas Gerais, foi inocentado pela justiça. Em sentença dada pela 2ª Vara Criminal do município, o juiz Edir Guerson de Medeiros disse que não ficou comprovada a participação de José Adriano na acusação de tráfico de drogas. Ele foi detido após a Polícia Rodoviária Federal (PRF) encontrar drogas nos pertences de uma passageira que o homem transportava do Rio de Janeiro para Minas Gerais.

Em junho do ano passado, Lima e Tairiny Cristini Duarte Custódio foram presos em uma blitz na BR-040, em Juiz de Fora. Eles iam do Complexo do Alemão, na Zona Norte do Rio, para o município de São Tiago, no Campo das Vertentes, em Juiz de Fora. Na abordagem da PRF, foram encontrados 329 pinos de cocaína, 202 frascos da mesma droga e 267 invólucros de maconha, que estavam na mochila de Tairiny.

“(…) uma vez que este Magistrado possui dúvidas a respeito de sua autoria, ainda que seja pequeníssima, é o suficiente para prolatação deum édito absolutório, com base no in dubio pro reo. Além disso, verifico que o acusado ficou preso preventivamente por quase 11 meses.

Ainda que seja pouco provável que José Adriano não tenha praticado o delito em apuração, entendo que o período em que passou na prisão é o suficiente para que não reincida na conduta delitiva”, escreveu o magistrado.Em depoimento prestado ao juízo, o ex-motorista do aplicativo 99 disse que não era o proprietário da droga que foi encontrada em uma bolsa no banco de trás de seu veículo.

“Foi muito difícil porque eu nunca fiz nada de errado. Estar em um lugar em situação precária e com cela cheia de umidade. A comida vinha azeda e ao lado de pessoas que eu nunca vi na minha vida”, relatou.

De acordo com Lima, quando o veículo foi parado, os policiais chegaram perto de Tairiny , que estava no banco de trás, e ela saiu correndo do carro gritando ‘já estava lá, já estava lá’. Ele afirma que a mulher colocou a bagagem no banco traseiro do carro e, por isso, durante o trajeto do Rio até Juiz de Fora, não examinou a mochila e não sabia o que continha dentro dela.

“Analisando detidamente todas as provas colhidas nos autos, não resta dúvida acerca da autoria delitiva de Tairiny Cristini. Inicialmente, verifica-se que a acusada solicitou a corrida pelo aplicativo 99 por celular diverso ao que estava portando no momento da abordagem. Além disso, a bolsa apreendida estava ao seu lado, no banco de trás do veículo, contendo apenas pertences femininos e um comprovante de recarga de celular no valor de R$ 20 cujo número era do telefone celular que era de sua propriedade. Nesse sentido, as provas são cristalinas e demonstram a prática do delito de tráfico de drogas por parte da acusada”, diz trecho da sentença.

Procurada, a PRF de Minas Gerais informou que não irá se manifestar sobre o assunto. O ex-motorista já está de volta ao Rio de Janeiro.