Search
Close this search box.
Exportações brasileiras têm salto de 46,2% para a União Europeia em abril de 2024, impulsionadas por petróleo e soja

Exportações brasileiras tem salto em 2024

Exportações brasileiras têm salto de 46,2% para a União Europeia em abril de 2024, impulsionadas por petróleo e soja

O Indicador de Comércio Exterior (Icomex) do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV) revelou um aumento expressivo nas exportações brasileiras em abril de 2024, especialmente para a União Europeia, Estados Unidos e China. As exportações para a União Europeia aumentaram 46,2%, impulsionadas por produtos como petróleo, café não torrado e farelo de soja. Houve também crescimento nas exportações para os Estados Unidos (22,0%) e China (14,1%). No entanto, as exportações para a Argentina tiveram uma queda significativa de 34,2%, assim como para outros países da América do Sul, embora em menor escala (12,6%). No acumulado do ano até abril, as exportações apresentaram aumentos para China, Estados Unidos e Ásia, e reduções para União Europeia, Argentina e demais países sul-americanos. Apesar das variações regionais, o saldo da balança comercial brasileira permaneceu positivo, alcançando US$ 9,0 bilhões em abril e acumulando um superávit de US$ 27,7 bilhões nos primeiros quatro meses do ano. A China continuou sendo o principal parceiro comercial do Brasil, seguida pelos países asiáticos e pela América do Sul, enquanto as trocas comerciais com a União Europeia resultaram em déficit.

Por Rlagos Notícias

16 de maio de 2024

Compartilhar no WhatsApp
foto: reprodução

Os dados revelados pelo Indicador de Comércio Exterior (Icomex) do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV) destacam um crescimento expressivo nas exportações brasileiras, especialmente para destinos importantes como União Europeia, Estados Unidos e China.

No mês de abril de 2024, as exportações para a União Europeia apresentaram um notável aumento de 46,2%, impulsionadas principalmente por remessas de produtos como petróleo, café não torrado e farelo de soja. Esse desempenho positivo também se estendeu a outras regiões, como os Estados Unidos, onde houve um crescimento de 22,0%, e a China, com um aumento de 14,1% nas exportações brasileiras.

Entretanto, algumas exceções foram observadas, como a queda significativa nas exportações para a Argentina, que registrou uma redução de 34,2%. O mesmo ocorreu com outros países da América do Sul, embora em menor escala, com um aumento de apenas 12,6%.

Quando analisamos o acumulado do ano até abril, notamos um cenário misto, com aumentos nas exportações para China, Estados Unidos e Ásia, e reduções nas exportações para União Europeia, Argentina e demais países sul-americanos.

Apesar das variações regionais, o saldo da balança comercial brasileira permaneceu positivo, atingindo US$ 9,0 bilhões em abril e acumulando um superávit de US$ 27,7 bilhões nos primeiros quatro meses do ano. A China continuou sendo o principal parceiro comercial do Brasil, seguida pelos demais países asiáticos e pela América do Sul, enquanto as trocas comerciais com a União Europeia resultaram em um déficit.

Compartilhar no WhatsApp

Por Rlagos Notícias

16 de maio de 2024

Search
Close this search box.

Faça parte do maior grupo exclusivo de noticias da região!

Nosso grupo te da acesso exclusivo as noticias mais quentes e recentes do momento sobre tudo que buscar!