Morre no Rio, aos 88 anos, a jornalista Danuza Leão

Ex-modelo e escritora marcou época e perdeu a batalha para um enfisema pulmonar

43

Rio – Morreu na noite desta quarta-feira (22), aos 88 anos, a jornalista, escritora e ex-modelo Danuza Leão. Ela estava internada na Clínica São Vicente, na Gávea, Zona Sul do Rio, em decorrência do agravamento de um enfisema pulmonar. De acordo com informações dos familiares, Danuza será cremada no Caju, mas a data e o local não foram repassados.

Danuza nasceu na cidade de Itaguaçu, no Espírito Santo, mas mudou para o Rio de Janeiro com a família aos 10 anos. Iniciou a carreira de modelo cedo, aos 17, tornando-se a primeira brasileira a desfilar no exterior. Irmã da cantora e compositora Nara leão, Danuza foi testemunha do nascimento da bossa nova, já que os cantores mais influentes da época se reuniam no apartamento de seus pais, na Avenida Atlântica, em Copacabana.

Aos 20 anos, Danuza casou com o jornalista Samuel Wainer, fundador e proprietário do jornal ‘Última Hora’ e do relacionamento nasceram três filhos: a artista visual Pinky Wainer, o distribuidor cinematográfico Bruno Wainer e o jornalista Samuel Wainer Filho, morto em um acidente de carro em 1984, aos 29 anos.

Danuza ainda casou com o compositor e cronista Antônio Maria e com o jornalista Renato Machado, que por muitos anos trabalhou na Rede Globo.

Sua carreira também ficou marcada pela participação num dos filmes mais importantes do cinema brasileiro, “Terra em Transe”, de Glauber Rocha.

Nos anos 70, foi promoter da badalada boate Hippopotamus, em Ipanema, Zona Sul do Rio de Janeiro. Comandada por Ricardo Amaral, conhecido como o “Rei da Noite”, a Hippopotamus atraía a fina flor da sociedade carioca, famosos e até artistas internacionais. Danuza foi também promoter da boate Regine’s, que funcionou no Hotel Meridien, no Leme, Zona Sul do Rio.

Como jornalista, Danuza assinou coluna no ‘Jornal do Brasil’, ‘Folha de S. Paulo’ e ‘O Globo’. Como escritora, Danuza lançou ainda oito livros. Em 1992, o “Na sala com Danuza”, um livro de etiquetas sociais, foi sucesso absoluto e liderou a lista dos mais vendidos durante um ano. Em 2004, publicou uma nova edição de seu maior sucesso, “Na sala com Danuza 2”. Em 2005, escreveu “Quase tudo” (2005), um livro de memórias, que recebeu o Prêmio Jabuti. Vieram também “Danuza Leão fazendo as malas” (2008), que também ganhou o Prêmio Jabuti; “Danuza Leão de malas prontas” (2009) e “É tudo tão simples” (2011).

O corpo de Danuza Leão será cremado no Cemitério do Caju, em data e horário a definir.