Search
Close this search box.
Comissão de Ética decide pelo arquivamento de processo contra deputada estadual Lucinha

Comissão de Ética

Comissão de Ética decide pelo arquivamento de processo contra deputada estadual Lucinha

Quatro de seis parlamentares votaram pela absolvição

Por Rlagos Noticias

20 de junho de 2024

Compartilhar no WhatsApp
Deputada estadual Lucinha (PSD) é investigada por envolvimento com milícia de Zinho Divulgação

RIO – A Comissão de Ética da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) formou maioria para o arquivamento do processo ético-disciplinar enfrentado pela deputada Lucinha (PSD), suspeita de envolvimento com a milícia que atua na Zona Oeste. A sessão começou por volta de 14h30 desta quinta-feira (20) e transcorreu sob sigilo.

Os deputados que entenderam que não houve quebra de decoro parlamentar foram: Vinícius Cozzolino (União Brasil), Renato Miranda (PL), Cláudio Caiado (PSD) e Júlio Rocha (Agir). Contra Lucinha, votaram Martha Rocha (PDT) e Dani Monteiro (Psol).

“O nosso voto foi pela cassação do mandato. Não cabe a nós aferir o cometimento de crime por parte da deputada, mas há, muito nitidamente, uma relação íntima dela com a organização criminosa. Essa aproximação confere a ambos os lados um tráfico de informação e de beneficiar ambos os lados. Ao nosso ver, não é claro se a deputada tem um cargo na organização, qual o tamanho do cargo, quais atribuições, mas é nítido o benefício de ambas as partes”, explicou Dani Monteiro.

Na segunda-feira (17), o Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) denunciou a deputada e sua ex-assessora parlamentar, Ariane Afonso Lima, sob a acusação de integrarem a milícia chefiada por Luis Antonio da Silva Braga, o Zinho. De acordo com as investigações, as duas faziam parte do núcleo político da organização criminosa.

Lucinha chegou a ser afastada do cargo no fim de 2023, mas retornou em fevereiro deste ano por decisão de seus colegas. No último dia 7, a deputada entregou suas alegações finais e, no início deste mês, prestou depoimento durante 1h40 para se defender na Alerj em sessão fechada para imprensa.

A parlamentar de 63 anos seria, segundo a Polícia Federal, o braço político da milícia de Zinho, preso em dezembro de 2023, que atua em ao menos 13 bairros do Rio. 

De acordo com o MPRJ, em julho de 2021, Lucinha e a ex-assessora forneceram ao grupo informações privilegiadas relacionadas à agenda de visitas do prefeito do Rio, Eduardo Paes, à Zona Oeste. Isso permitiu que os milicianos retirassem seus integrantes das ruas das localidades dominadas pela organização criminosa. 

Houve, também, segundo o MP, tentativa de interferência junto ao prefeito e demais autoridades municipais para que fosse mantida a chamada ‘Brecha da P5’ no transporte público alternativo municipal, maior fonte de obtenção direta de recursos da milícia. Dessa forma, o grupo poderia explorar o serviço fora do itinerário determinado, aumentando a arrecadação das vans.

Já em novembro de 2021, a deputada prestou auxílio a membros do ‘Bonde do Zinho’ presos em flagrante, para liberá-los da captura. No mesmo período, ainda segundo a ação penal, Lucinha tentou interferir junto ao Comando da Polícia Militar e ao alto escalão político da Alerj para remover dos cargos os comandantes da 8ª Delegacia de Polícia Judiciária Militar e do 27º Batalhão de Polícia Militar. O motivo seria o combate dos agentes à organização criminosa.

Veja mais notícias sobre "Comissão de Ética decide":

Compartilhar no WhatsApp

Por Rlagos Noticias

20 de junho de 2024

Search
Close this search box.

Faça parte do maior grupo exclusivo de noticias da região!

Nosso grupo te da acesso exclusivo as noticias mais quentes e recentes do momento sobre tudo que buscar!